Enfermeiros iniciam greve de zelo por tempo indeterminado

Lusa 10 de maio de 2017
Sábado
Leia a revista
Em versão ePaper
Ler agora
Edição de 26 de janeiro a 1 de fevereiro
As mais lidas

A greve de zelo consiste no exercício das funções, mas sem pressa para assegurar mais assistência a mais doentes

Os enfermeiros associados da Federação Nacional dos Sindicatos de Enfermeiros (Fense) começam esta quarta-feira, pelas 8h, uma greve de zelo por tempo indeterminado, um protesto que conta com o apoio da Ordem que representa estes profissionais.

Pedro Noel da Luz / Correio da Manhã
A greve de zelo visa protestar contra a falta de diálogo do Ministério da Saúde com estas estruturas sindicais que acusam a tutela de não dar seguimento às suas reivindicações, nomeadamente em matéria de horários de trabalho, categorias e vencimentos.

Estes profissionais estão contra a existência de enfermeiros que, trabalhando o mesmo, têm vencimentos diferentes, e contra a inexistência de categorias na carreira.

A greve de zelo consiste no exercício das funções, mas sem pressa para assegurar mais assistência a mais doentes.

Segundo José Azevedo, presidente do Sindicato dos Enfermeiros (SE) que, conjuntamente com o Sindicato Independente dos Profissionais de Enfermagem (SIPE) formam a FENSE, esta atitude dos profissionais que aderirem ao protesto irá ter repercussões no atendimento em ambulatório e nos blocos cirúrgicos.

"Na prática, só acabaremos de cuidar de um doente quando este tiver recebido todos os cuidados, independentemente do tempo que demorar. Não vamos andar a correr", explicou.

No seguimento do anúncio desta greve, a Ordem dos Enfermeiros manifestou "todo o apoio" ao protesto.

A bastonária da Ordem dos Enfermeiros, Ana Rita Cavaco, justificou a posição com o facto de terem sido "esgotadas todas as ações de diálogo com o Ministério da Saúde", observando que, apesar de o Serviço Nacional de Saúde (SNS) ser atualmente "pele e osso", continua-se a despedir enfermeiros nos hospitais.

"Despedem-se enfermeiros nos hospitais, os administradores alegam que não têm autonomia e o ministro (da Saúde) diz que não tem autorização das Finanças", disse a bastonária, afirmando que é altura de o Governo decidir se quer "salvar os bancos ou salvar o Serviço Nacional de Saúde".

Segundo Ana Rita Cavaco, além do despedimento de enfermeiros, há serviços que foram encerrados por falta destes profissionais.

A bastonária considerou que todos os sindicatos deviam estar "juntos" no protesto que se inicia hoje, porque esta "devia ser uma greve histórica da enfermagem".
Descubra as
Edições do Dia
Publicamos para si, em três periodos distintos do dia, o melhor da atualidade nacional e internacional. Os artigos das Edições do Dia estão ordenados cronologicamente aqui , para que não perca nada do melhor que a SÁBADO prepara para si. Pode também navegar nas edições anteriores, do dia ou da semana
Artigos Relacionados
Investigação
Opinião Ver mais