Brexit: PCP critica acordo que amarra Reino Unido a políticas neoliberais e militaristas

Lusa 25 de novembro de 2018
Sábado
Leia a revista
Em versão ePaper
Ler agora
Edição de 4 a 10 de março
As mais lidas

Eurodeputado João Ferreira diz que o acordo aprovado na cimeira europeia "visa condicionar a acção de qualquer futuro governo britânico".

O PCP defendeu, este domingo, que o acordo de saída do Reino Unido da União Europeia visa amarrar aquele país às políticas europeias neoliberais e militaristas, temendo ainda que os direitos dos trabalhadores portugueses não estejam devidamente salvaguardados.

Tiago Petinga/Lusa
"Sendo um acordo de saída do Reino Unido da União Europeia e da sua relação futura, prevê que o Reino Unido esteja fora estando dentro, de alguma forma. Isto porque claramente fica amarrado a um conjunto de condicionantes e mesmo de políticas de teor neoliberal, securitário, militarista, que são, no fundo, as da União Europeia", defendeu João Ferreira.

Em declarações à Lusa, o eurodeputado e dirigente comunista argumentou que o acordo aprovado na cimeira europeia "visa condicionar a acção de qualquer futuro governo britânico que opte por uma agenda política progressista de saída do Reino Unido da União Europeia".

"As possibilidades que se abriam do ponto de vista de tirar partido da nova situação para recuperação de soberania, para implementação de medidas, por exemplo, ao nível da recuperação do controlo público sobre sectores estratégicos da economia, ao nível de planos para a reindustrialização que envolvam acção no domínio das ajudas de Estado, tudo isso está fortemente condicionado por este acordo", sustentou.

Para o PCP, também "não é claro, neste momento, até em face do que são algumas declarações ambíguas da primeira-ministra britânica, que esteja assegurado o efectivo respeito pelos direitos dos trabalhadores portugueses a viver e a trabalhar no Reino Unido".

"É uma questão que deve continuar a ser acompanhada, tendo em conta que esta é desde o início uma das premissas que temos como essenciais no desenvolvimento deste processo: a salvaguarda dos interesses destes trabalhadores", declarou.

João Ferreira começou por advertir que o acordo dos 27 é "um passo num processo que não está ainda concluído", carecendo que o parlamento britânico e o Parlamento Europeu se pronunciem.

"O quadro da sua apreciação é um quadro marcado ainda pela incerteza quanto ao desfecho do processo", sublinhou o eurodeputado, que considera que o acordo é o culminar de um processo "marcado por inúmeras chantagens e pressões por parte da União Europeia sobre o Reino Unido" e da vontade do povo britânico expressa em referendo.

Os chefes de Estado e de Governo dos 27 validaram hoje, numa cimeira extraordinária em Bruxelas, o acordo de saída do Reino Unido da UE e a declaração política da relação futura entre as partes.
Descubra as
Edições do Dia
Publicamos para si, em três periodos distintos do dia, o melhor da atualidade nacional e internacional. Os artigos das Edições do Dia estão ordenados cronologicamente aqui , para que não perca nada do melhor que a SÁBADO prepara para si. Pode também navegar nas edições anteriores, do dia ou da semana
Investigação
Opinião Ver mais