A aldeia-modelo criada por Salazar vai virar museu vivo

Lusa 04 de maio de 2019
As mais lidas

A antiga colónia agrícola de Vascões, que Salazar mandou moldar na paisagem rural de Chã de Lamas nos anos 50, é um exemplar do modernismo português que Paredes de Coura quer guardar como um museu vivo.

A antiga colónia agrícola de Vascões, que Salazar mandou moldar na paisagem rural de Chã de Lamas nos anos 50, é um exemplar do modernismo português que Paredes de Coura quer guardar como um museu vivo.

A última de sete colónias agrícolas que mudaram a paisagem rural de Portugal data do final da década de 50. O modelo de reestruturação agrária do país foi criado por decreto, em 1948, durante o Estado Novo, e replicado no Norte e Centro do país.

No Alto Minho, o plano inicial da Junta de Colonização Interna apontava para um total de mais de 672 hectares, abrangendo Arcos de Valdevez, Monção e Paredes de Coura, mas foi neste último concelho que o projeto avançou para o terreno. A colónia de São Martinho de Vascões, a mais de oito quilómetros do centro da vila de Paredes de Coura, ganhou vida em 1957, com a chegada dos colonos.

A ex-colónia situa-se em pleno núcleo megalítico de Chã de Lamas, constituído por duas mamoas. Aqueles vestígios "atestam a presença humana, na zona, desde sempre". A Câmara que manter essa "memória" e tornar Vascões num "museu vivo da arquitetura, antropologia e etnografia" daquele período da história.

Aprovou uma Área de Reabilitação Urbana (ARU) para aquela zona rural, mas, diz o presidente da autarquia, Vítor Paulo Pereira, que o sucesso da preservação do conjunto habitacional "depende essencialmente dos proprietários".

O autarca quer transformar Vascões num "centro de conhecimento e de atração turística", tendo na calha projetos de base agrícola, de reabilitação e valorização do sistema de regadio.

Em 1957, o objetivo passava por tornar os baldios improdutivos em terrenos agrícolas, fixando gente em zonas despovoadas.

Construíram-se 15 casas geminadas, uma escola primária e a casa do professor, equipamentos que, com a extinção da colónia, em 1998, deram lugar ao Centro de Educação e Interpretação Ambiental (CEIA), aberto desde 2007 para receber "naturais e visitantes" e divulgar a história da antiga colónia.

A experiência comunitária do Estado Novo era servida de água canalizada, tinha sistemas de combate a fogos e de rega dos campos. Ficou "parcialmente" instalada, não sendo construído o forno comunitário, a capela e posto médico.

O conjunto habitacional vislumbra-se do miradouro de Corno de Bico, um dos pontos mais altos de Paredes de Coura, em plena Área de Paisagem Protegida.

No casario, distribuído pelas ruas de Cima, do Meio, e de Baixo, espécie de condomínio que muitos apelidam de ‘kibutz' à portuguesa, ainda permanecem 50 pessoas, sobretudo idosos.

Florinda Barbosa é das primeiras colonas vivas. Aos 87 anos relata a vida "dura e difícil" que iniciou com o marido. Na colónia, onde vive desde os 27 anos, nasceram-lhe oito dos nove filhos e da vida "muito dura" de lavradores destaca a alegria vivida em comunidade.

"Dávamo-nos todos bem. Nunca tive problemas com ninguém", referiu, recordando como tudo começou.

O marido "inscreveu-se" e saiu-lhe em "sorteio" um "casal agrícola", termo atribuído ao conjunto formado por uma "casa de habitação, dependências adequadas à exploração rural e terrenos suficientes para a mantença de uma família média de cultivadores".

O Estado emprestava os móveis, as alfaias agrícolas, animais e dinheiro para o início da atividade. O casal tinha de pagar o quinhão, em géneros, "1/6 das colheitas".

"Trabalhava-se muito. Era muito duro, mas vivia-se bem. Graças a Deus. Nunca passamos fome", garantiu.

Uma das condições para ser admitido era o "atestado" médico a comprovar "boa saúde" para a lavoura. Trabalhos que passavam por "desbravar monte, vencer lameiros e partir pedra", tudo "feito com sacholas e pás".

Muitos "não aguentaram" a "dureza" daquela vida e emigraram.

Em 1988, com a extinção do conceito, o Estado vendeu as casas e as terras a quem quis ficar. Florinda ficou e dali não quer sair.

Natural de Arcos de Valdevez, Manuel Oliveira, de 73 anos, é dos colonos mais novos a chegar à colónia e de onde não quer sair. Começou em 1966 a trabalhar "por conta da Junta" em Vascões. Foi ali que encontrou o "amor".

Em 1972, "quando o Estado começou a entregar as casas da colónia que foram ficando vazias", casou e criou família.

"Bons tempos, aqueles, andava muita gente por aqui a trabalhar. Era uma maravilha. Agora não se encontra ninguém. Produzia-se de tudo: batata, centeio, milho. Todos criávamos os animais", recordou.

Na altura, a implementação do projeto não foi "pacífica", sublinhou Isabel Matias. A arquiteta que estudou a modificação que a colónia causou na paisagem rural, aponta o impacto social com os "casos de litígio judicial" pela "usurpação", pelo Estado, dos terrenos baldios.

"Houve problemas com a população em vários lugares, retratados por Aquilino Ribeiro na obra quando os lobos uivam", especificou a coordenadora do Observatório da Paisagem de Paredes de Coura.

Do levantamento que realizou, Isabel Matias sublinhou a "inovação agrícola, tecnológica e arquitetónica" do assentamento urbano.

"Houve muita inovação nas colónias agrícolas. Por isso, é importante dar a conhecer o trabalho multidisciplinar de arquitetos, silvicultores, urbanistas", referiu, destacando que, de todas, a colónia de Vascões "é das que se mantém mais ativa".

Situada numa zona de "grandes lameiros, mato e pedra", a ex-colónia implicou um "trabalho muito importante de valorização de solos", apesar do "trabalho arquitetónico parecer o de maior excelência".

Em 2018, a colónia foi apresentada em vários países da Europa como ‘case study' no âmbito do MODSCAPES (Modernist Reinventions of the Rural Landscape).

Descubra as
Edições do Dia
Publicamos para si, em três periodos distintos do dia, o melhor da atualidade nacional e internacional. Os artigos das Edições do Dia estão ordenados cronologicamente aqui , para que não perca nada do melhor que a SÁBADO prepara para si. Pode também navegar nas edições anteriores, do dia ou da semana
Artigos Relacionados
Investigação
Opinião Ver mais