Bizarro triângulo geopolítico
Paulo Batista Ramos
27 de abril

Bizarro triângulo geopolítico

Devido a evolução tecnológica o espaço contrai e a distância desaparece e surgem novas dimensões das linhas de conexão como é o caso da geometria geopolítica entre Israel-EUA-Irão.

Na perspetiva de um mundo multipolar a existência de "triângulos de aço" ajudam-nos a explicar as dinâmicas das relações intraestatais. Os delicados equilíbrios de poder regional são constituídos por impasses confrontacionais que contribuem para a estabilidade regional, através de relações interligadas de dissuasão.

Temos exemplos históricos e contemporâneos destes triângulos nos relacionamentos entre Alemanha-Rússia-Ucrânia, India-Paquistão-China, China-Coreia do Sul-Japão, Chile-Argentina-Brasil ou Reino Unido-França-Alemanha. Por natureza, ocorrem em geografias contiguas, sendo que muitas vezes as zonas de tensão se encontram na tríplice fronteira.

Devido a evolução tecnológica o espaço contrai e a distância desaparece e surgem novas dimensões das linhas de conexão, igualmente decisivas para a estabilidade de determinadas regiões, como é o caso da geometria geopolítica entre Israel-EUA-Irão.

Para continuar a ler
Já tem conta? Faça login
Para activar o código da revista, clique aqui