Bairro Arménio
Paulo Batista Ramos
04 de maio

Bairro Arménio

Biden pretende impor um ritmo e um tom diferente na sua política externa. Sendo cedo para afirmar se tal irá contribuir para alienar ainda mais os aliados e os rivais internacionais da órbita norte-americana ou se conseguirá impor uma inflexão nos percursos autoritários e repressores de muitos desses países.  

Sem a agressividade nacionalista e vocal de Trump, o presidente Joe Biden parece estar disposto a contrariar a teoria de que o "sol se está a pôr na democracia Americana". Para tal, no domínio da política externa, Biden inaugurou um discurso assertivo de "naming names", visando expor o carácter e as intenções dos rivais dos EUA.

Pouco tempo depois de tomar posse apelidou de assassino Vladimir Putin. Referiu que o Presidente Xi Jinping estava "mortalmente sério" no seu objetivo de transformar a China neototalitária na nação "mais significativa e consequente do mundo".

Há cerca de uma semana, Biden quebrou o tabu ao reconhecer oficialmente o genocídio do povo arménio pelos otomanos. Enquanto, no entretanto, expulsava a Turquia do programa de produção dos caças furtivos F-35, acrescentando sanções militares contra Ancara.

Para continuar a ler
Já tem conta? Faça login
Para activar o código da revista, clique aqui