Desigualdades entre as crianças acentuaram-se em muitos países ricos

Lusa 14 de abril de 2016
As mais lidas

Estudo conclui que os rendimentos das famílias que estão abaixo da média têm aumentado mais lentamente do que os que estão na metade superior, o que aumenta a desigualdade e acentua a pobreza entre as crianças

As desigualdades entre as crianças mais desfavorecidas e as restantes têm vindo a aumentar em muitos países ricos, denuncia a UNICEF num relatório hoje divulgado.

Intitulado "Equidade para as crianças: Uma tabela classificativa das desigualdades de bem-estar das crianças nos países ricos", o relatório classifica 41 países, incluindo os da União Europeia e da Organização para a Cooperação e o Desenvolvimento Económico (OCDE).

Em geral, o estudo conclui que os rendimentos das famílias que estão abaixo da média têm aumentado mais lentamente do que os que estão na metade superior, o que aumenta a desigualdade e acentua a pobreza entre as crianças do primeiro grupo.

Em numerosos países, "o fosso aumentou ainda mais entre as crianças mais desfavorecidas e os seus pares desde os anos 2000", pode ler-se no documento.

Em 19 dos países analisados, incluindo Portugal, Espanha, Grécia, e Itália, as crianças mais pobres dispõem de menos de metade dos rendimentos da criança média do seu país.

Um dos dados que mais se destaca é que dois dos países mais ricos do mundo, o Japão e os Estados Unidos, estão no terço inferior da classificação de desigualdade segundo o rendimento.

O relatório da UNICEF mede os níveis de desigualdade entre as crianças, não só em função dos rendimentos das famílias, mas também em função da educação, da saúde e do nível de satisfação que eles próprios manifestam.

Uma das conclusões é que "nenhum país conseguiu verdadeiramente reduzir a desigualdade no que diz respeito aos problemas de saúde sinalizados pelas crianças" (dores de cabeça, de costas, de barriga, insónia).

Em 25 dos países abrangidos as desigualdades agravaram-se mesmo, em particular na Irlanda, Malta, Polónia e Eslovénia.

Entre os adolescentes, "as disparidades entre sexos são generalizadas e persistentes" em questões de saúde, com as raparigas a manifestar mais problemas de saúde.

Em dez países, as disparidades de género aumentaram desde 2002, nomeadamente no Canadá, Estados Unidos da América, Reino Unido e Suécia. Estas diferenças tendem a manter-se na idade adulta.

Na educação, "muito poucos países conseguiram reduzir simultaneamente a taxa de sucesso escolar e o número de alunos com dificuldades na leitura".

Alguns países considerados exemplares, como a Finlândia e a Suécia, viram mesmo aumentar as desigualdades e baixar o desempenho escolar.

Em todos os países da OCDE, as crianças mais desfavorecidas têm um atraso equivalente a três anos de escolaridade na leitura em relação à média.

Quanto à "satisfação na vida", a desigualdade agravou-se em mais de metade dos países.

Mas também há boas notícias: as desigualdades nos níveis de actividade física e dos hábitos alimentares diminuíram na maioria dos países ricos.

A UNICEF reconhece em conclusão que o nível de rendimento e a situação familiar condiciona de forma relevante as oportunidades de êxito de uma criança.
Descubra as
Edições do Dia
Publicamos para si, em três periodos distintos do dia, o melhor da atualidade nacional e internacional. Os artigos das Edições do Dia estão ordenados cronologicamente aqui , para que não perca nada do melhor que a SÁBADO prepara para si. Pode também navegar nas edições anteriores, do dia ou da semana
Artigos Relacionados
Opinião Ver mais