Conselho de Medicina brasileiro desaconselha uso da hidroxicloroquina

Lusa 23 de abril de 2020
Sábado
Leia a revista
Em versão ePaper
Ler agora
Edição de 25 de fevereiro a 3 de março
As mais lidas

Quando os efeitos da substância em tratamentos contra o novo coronavirus começaram a ser testados, o presidente brasileiro tornou-se um defensor do seu uso e chegou a comprar insumos para produzir a substância em larga escala da Índia.

O Conselho Federal de Medicina (CFM) informou, esta quinta-feira, o governo brasileiro que não recomenda o uso da hidroxicloroquina para pacientes em tratamento da covid-19, mas admitiu a prescrição médica em alguns casos.

Brasil coronavirus
Brasil coronavirus REUTERS/Sergio Moraes

A recomendação ocorreu numa reunião entre representantes do CFM e o presidente Jair Bolsonaro, no Palácio do Planalto, em Brasília.

"O Conselho Federal de Medicina não recomenda o uso da hidroxicloroquina. O que estamos a fazer é a dar ao médico brasileiro o direito de, junto com o seu paciente, em decisão compartilhada com o paciente, utilizar essa droga. Uma autorização, não é recomendação", disse o presidente do CFM, Mauro Luiz de Britto Ribeiro, à imprensa brasileira após a reunião.

Segundo Mauro Ribeiro, não há "nenhuma evidência científica forte" sobre a eficácia da substância no tratamento da covid-19, mas o órgão explica que em algumas situações a medicação será permitida.

Os médicos poderão receitar a hidroxicloroquina, tanto em pacientes com quadros graves que estão internados em Unidades de Terapia Intensiva (UTI), como em pacientes com quadros leves e até mesmo no início do tratamento, mas terão de ter autorização dos pacientes ou dos familiares.

A hidroxicloroquina já é usada no tratamento da malária e outras doenças no Brasil.

Quando os efeitos da substância em tratamentos contra o novo coronavirus começaram a ser testados, o presidente brasileiro tornou-se um defensor do seu uso e chegou a comprar insumos para produzir a substância em larga escala da Índia.

Segundo dados divulgados na quarta-feira, o Brasil registou 45.757casos confirmados do novo coronavirus e 2.906 mortes, dados que colocam a taxa de mortalidade da doença em 6,4% no país.

A nível global, segundo um balanço da AFP, a pandemia da covid-19 já provocou mais de 184 mil mortos e infetou mais de 2,6 milhões de pessoas em 193 países e territórios.

Cerca de 700 mil doentes foram considerados curados.

Em Portugal, morreram 820 pessoas das 22.353 confirmadas como infetadas, e há 1.143 casos recuperados, de acordo com a Direção-Geral da Saúde.

A doença é transmitida por um novo coronavírus detetado no final de dezembro, em Wuhan, uma cidade do centro da China.

Descubra as
Edições do Dia
Publicamos para si, em três periodos distintos do dia, o melhor da atualidade nacional e internacional. Os artigos das Edições do Dia estão ordenados cronologicamente aqui , para que não perca nada do melhor que a SÁBADO prepara para si. Pode também navegar nas edições anteriores, do dia ou da semana
Artigos Relacionados
Opinião Ver mais