Aos seis anos, Florence queria escrever postal de Natal. Denunciou trabalhos forçados

Aos seis anos, Florence queria escrever postal de Natal. Denunciou trabalhos forçados
Leonor Riso 23 de dezembro de 2019

A China negou que numa prisão sejam aplicados trabalhos forçados aos reclusos. Mas não era isso o que se lia num postal comprado num supermercado.

Aos seis anos, Florence Widdicombe fez com que a China lhe respondesse. Tudo por ter escolhido um postal de Natal num supermercado: lá dentro, estava uma mensagem em que se lia: "Somos reclusos estrangeiros na prisão de Qingpu, Xangai, China. Forçados a trabalhar contra a nossa vontade."

O postal pedia ainda que Peter Humphrey, um antigo jornalista britânico e investigador de fraudes cometidas por empresas, fosse contactado. Humphrey esteve detido entre 2014 e 2015 na prisão de Qingpu.

Esta segunda-feira, a China comentou o caso, negando as acusações de trabalhos forçados. Porém, a cadeia de supermercados Tesco, onde o postal foi comprado, suspendeu as trocas com a empresa chinesa e anunciou o lançamento de uma investigação.

Para continuar a ler
Já tem conta? Faça login
Opinião Ver mais