Lojas com história deverão ficar isentas de IMI

Lusa 12 de outubro de 2017
Sábado
Leia a revista
Em versão ePaper
Ler agora
Edição de 21 a 27 de janeiro
As mais lidas

As lojas históricas devem reconhecidas como tal pelos municípios e as despesas de conservação e manutenção deverão ser consideradas em 110% no apuramento do lucro tributável.

As fracções autónomas afectas a lojas com história, reconhecidas como tal pelos municípios, deverão ficar isentas de IMI e as despesas de conservação e manutenção deverão ser consideradas em 110% no apuramento do lucro tributável, segundo uma proposta orçamental preliminar.

AlmaLusa Hotels
De acordo com uma versão preliminar da proposta de Orçamento do Estado para 2018 (OE2018), com data de 10 de Outubro e que pode ainda ser alterada, a que a Lusa teve acesso na quarta-feira à tarde, deverão ficar isentas do pagamento de Imposto Municipal sobre Imóveis (IMI) "as fracções autónomas afectas a lojas com história, reconhecidas pelo município como estabelecimentos de interesse histórico e cultural ou social local e que integrem o inventário nacional dos estabelecimentos e entidades de interesse histórico e cultural ou social local".

Além disso, deverá também ser incluído no Estatuto dos Benefícios Fiscais (EBF) um novo incentivo às fracções autónomas afectas a lojas com história, "reconhecidas pelo município como estabelecimentos de interesse histórico e cultural ou social local e que integrem o inventário nacional dos estabelecimentos e entidades de interesse histórico e cultural ou social".

Este novo benefício deverá permitir que, "na determinação do lucro tributável dos sujeitos passivos de IRC que exerçam a título principal uma actividade comercial, industrial ou agrícola, bem como na determinação dos rendimentos empresariais e profissionais não abrangidos pelo regime simplificado dos sujeitos passivos de IRS", sejam "considerados em 110% do respectivo montante os gastos e perdas do período relativos a obras de conservação e manutenção das fracções autónomas afectas a lojas com história".

Na prática, isto significa que os contribuintes (sejam pessoas colectivas ou singulares) que exerçam uma actividade comercial, industrial ou agrícola num espaço que seja considerado e reconhecido como uma loja com história "podem deduzir a totalidade da despesa com obras de conservação do espaço acrescida de 10% do valor gasto".
Descubra as
Edições do Dia
Publicamos para si, em três periodos distintos do dia, o melhor da atualidade nacional e internacional. Os artigos das Edições do Dia estão ordenados cronologicamente aqui , para que não perca nada do melhor que a SÁBADO prepara para si. Pode também navegar nas edições anteriores, do dia ou da semana.
Boas leituras!
Artigos Relacionados
Opinião Ver mais