Energia mais cara? Breve guia para se orientar no meio da polémica

Energia mais cara? Breve guia para se orientar no meio da polémica
Bruno Faria Lopes 02 de agosto

As afirmações do presidente da Endesa Portugal fizeram rebentar o tema dos preços da energia. Por entre a polémica há pistas: os preços para quem está no mercado livre vão subir, mas em tese menos do que se não houvesse o mecanismo de proteção.

O presidente da Endesa Portugal abriu uma tempestade mediática e política sobre os preços da eletricidade. Numa entrevista ao Jornal de Negócios e à Antena 1, Nuno Ribeiro da Silva disparou o aviso de que já a partir de agosto a fatura da energia poderia disparar pelo menos 40%, por causa das compensações inerentes ao mecanismo de proteção de preço que Portugal e Espanha implementaram. O aviso foi reproduzido mediaticamente como uma subida imediata e enorme para todos os clientes, o que levou o regulador do setor, a ERSE, a reagir a um domingo, pondo água na fervura – e o Governo a negar esse risco, primeiro, e depois a retaliar sobre a Endesa, sujeitando o pagamento das faturas dos serviços do Estado à empresa a visto prévio do secretário de Estado João Galamba. Os partidos da oposição reagiram à reação governativa e o tema explodiu ruidosamente na agenda da ‘silly season’.

Para continuar a ler
Já tem conta? Faça login
Para activar o código da revista, clique aqui
Investigação
Opinião Ver mais