Covid-19: Cerca de 43% dos que ganham até mil euros tiveram corte nos rendimentos

Lusa 14 de abril de 2020
As mais lidas

36,8% dos inquiridos num estudo reportou ter registado quebra no rendimento do agregado familiar, seja porque foi colocado em 'lay-off', ficou se emprego ou se mantém em atividade, mas a receber menos.

Nas famílias que ganham até 1.000 euros, 43% registaram quebra de rendimentos desde que a covid-19 colocou o país em quarentena, valor que supera a média global de 36,8% destas situações, indica um estudo da Universidade Católica.

dinheiro notas euros
dinheiro notas euros

Realizado na primeira semana de abril, junto de uma amostra composta por 1.700 pessoas com mais de 18 anos, o estudo, hoje apresentado, procura perceber o estado de espírito dos portugueses perante as mudanças que a pandemia de covid-19 impôs às suas vidas e à economia. E os resultados revelam uma assimetria dos impactos a nível de regiões, dos setores público e privado, tipologias de rendimentos e setores de atividade.

De acordo com o estudo, 36,8% dos inquiridos reportou ter registado quebra no rendimento do agregado familiar, seja porque foi colocado em 'lay-off', ficou se emprego ou se mantém em atividade, mas a receber menos. Estas médias globais têm por trás realidade diferentes, já que a quebra de rendimentos atingiu mais os agregados que contam com até 1.000 euros mensais, sendo quase 43% os que referiram esta situação.

Já entre os que recebem entre 1.001 e 2.500 euros mensais este problema afetou 32,6% e em relação aos que recebem por mês mais de 2.501 euros, a quebra de rendimentos foi uma realidade para pouco mais de um quinto (23,4%).

Estes resultados levaram Ricardo Reis, Professor na Universidade Católica e que apresentou o estudo durante uma conferência virtual, a assinalar a "discrepância enorme com o que está a acontecer na população" e a classificar esta crise como desigual por estar "a afetar as camadas mais pobres da população".

Ainda que sejam uma minoria, há 0,6% de pessoas que registaram uma subida dos rendimentos desde que o país entrou em estado de emergência e muitas das atividades económicas foram canceladas total ou parcialmente.

O estudo mostra também que o impacto das medidas de luta contra o surto de covid-19 foi mais sentido entre os empresários em nome individual e trabalhadores por conta própria, onde a quebra de rendimentos chegou a 71,7%. Nos trabalhadores por conta de outrem, este problema atingiu 41,4%.

A quebra de rendimentos afetou também de forma diferentes os setores público e privado, sendo este um problema reportado por 31,3% dos trabalhadores do público e por 52% dos do privado.

A nível regional também se registam diferenças com o Norte a surgir com a maior fatia dos inquiridos (39%) a quem a crise causada pela covid-19 já implicou quebras no rendimento. Seguem-se Lisboa, com 35,9%, e o Centro, com 34,7%.

Estes resultados refletem o facto de também ser nestas regiões que se registam mais casos de 'lay-off' ou de pessoas que reportaram estar sem atividade e menores rendimentos. Em termos gerais, foram 13,4% os inquiridos que disseram estar em 'lay-off', sendo que em termos regionais, o Norte surge acima desta média, com 17,8% dos inquiridos nesta situação.

Já em relação aos que estão sem trabalhar e tiveram quebra de rendimentos, as repostas globais apontam para um universo de 14,4%, com o Centro a registar 17,7%, o Norte quase 13% e Lisboa 12,5%.

O inquérito permitiu ainda concluir que 6% dos inquiridos estavam em casa sem trabalhar mas sem que isso se tivesse repercutido no seu rendimento. Para Filipe Santos, outros dos oradores da conferência de apresentação do estudo "Covid-19 e os portugueses", estas pessoas têm quase que uma "obrigação que partilhar o rendimento que conseguiram manter" para com aqueles que "viram a sua vida destroçada por esta crise", sendo esta uma forma de evitar que a economia tenha um nível de destruição não necessário.

É que, entre as profissões que registam níveis mais elevados de quebra de rendimento estão as relacionadas com o alojamento e restauração e o comércio a retalho, mas também as atividades domésticas, outras atividades de serviços, transportes ou espetáculos.

As medidas de isolamento social levaram a um incremento do teletrabalho, mas entre os inquiridos a maior parte (35,5%) revelou que, em abril, continuou a trabalhar no local habitual, ou seja, sem alterações face ao período pré-covid-19. Já o teletrabalho passou a ser uma realidade para 23,2% dos inquiridos, com a esmagadora maioria (quase 85%) a referir que está a ser uma experiência positiva, em termos de equipamento, ambientais e apoio das empresas.

Em paralelo, mais de metade considera que a experiência está a correr bem ou muito bem no que diz respeito à compatibilização da vida profissional com a familiar (sendo esta apreciação comum a quem tem filhos e os não tem), embora mais de dois terços reconheça que está a trabalhar o mesmo ou menos, por comparação com a produção profissional anterior.

O inquérito procurou perceber se as pessoas estão a cumprir o isolamento social, quais os meios que mais usam para se informar sobre a doença e se têm sentido falta de produtos quando vão às compras. As respostas mostraram que 14% não tinha saído à rua nas duas semanas anteriores, mas 9% saiu mais de uma vez por dia. O principal motivo das saídas (62%) é a compra de bens essenciais.

Por outro lado, 75% tem na televisão o principal meio de informação sobre a covid-19 e 77% não tem sentido dificuldade em comprar os bens de que necessita, exceto quando se trata de álcool ou de gel desinfetante.

Descubra as
Edições do Dia
Publicamos para si, em três periodos distintos do dia, o melhor da atualidade nacional e internacional. Os artigos das Edições do Dia estão ordenados cronologicamente aqui , para que não perca nada do melhor que a SÁBADO prepara para si. Pode também navegar nas edições anteriores, do dia ou da semana
Investigação
Opinião Ver mais