Chineses completam 200 dias numa cabine que simula uma colónia lunar

Lusa 26 de janeiro de 2018
As mais lidas

Os quatro voluntários são estudantes de biomedicina na Universidade Aeronáutica e Astronáutica de Pequim.

Quatro pessoas completaram hoje em Pequim 200 dias fechadas numa cabine que simula uma colónia lunar, batendo o recorde mundial de permanência num recinto deste género, informou a agência noticiosa oficial Xinhua.

Os quatro voluntários, estudantes de biomedicina na Universidade Aeronáutica e Astronáutica de Pequim, abandonaram a cápsula Yuegong-1 ("Palácio Lunar", em português) depois de mais de meio ano enclausurados.

A experiência visa analisar a coexistência de animais, plantas e humanos e avaliar a evolução física e mental de quem permanece num ambiente semelhante a uma futura colónia lunar.

A cabine funciona num sistema bio regenerativo, em que a água e os alimentos se reciclam, simulando os ciclos vitais terrestres.

Liu Hong, responsável pelo desenho do Yuegong-1, revelou que em 200 dias houve imprevistos, entre os quais três apagões, que "constituíram um desafio para o sistema e o estado psicológico dos voluntários".

O anterior recorde de reclusão numa cabine pertencia a três pessoas da antiga União Soviética, que passaram 180 dias numa construção semelhante nos anos 1970.

O Yuegong-1 inclui duas estufas e um espaço com quatro cubículos com camas, uma sala comum, uma casa de banho, uma sala para desenhar e um espaço para criação de animais.

Descubra as
Edições do Dia
Publicamos para si, em três periodos distintos do dia, o melhor da atualidade nacional e internacional. Os artigos das Edições do Dia estão ordenados cronologicamente aqui , para que não perca nada do melhor que a SÁBADO prepara para si. Pode também navegar nas edições anteriores, do dia ou da semana
Artigos Relacionados
Investigação
Opinião Ver mais