"Onde as crianças correm maior perigo é dentro das próprias famílias"

'Onde as crianças correm maior perigo é dentro das próprias famílias'
Mariana Branco 20 de novembro de 2018

Esta terça-feira celebra-se o Dia Universal dos Direitos da Criança. À SÁBADO, o secretário-geral do Instituto de Apoio à Criança garante que apesar de a situação das crianças em risco ter melhorado em Portugal há ainda "um trabalho muito grande" pela frente.

Esta terça-feira, 20 de Novembro, celebra-se o Dia Universal dos Direitos da Criança. Para o assinalar, o Instituto de Apoio à Criança (IAC) organizou um concerto solidário no Altice Arena, em Lisboa, e a UNICEF Portugal e o Ministério da Justiça organizam a primeira UNICEF Youth Talk em Portugal, um encontro com crianças e jovens com o objectivo de reflectir sobre o papel da justiça na defesa dos direitos da criança.

"As crianças, de um modo geral, são os seres mais vulneráveis. As crianças que vivem em ambientes mais vulneráveis, em contextos socioeconómicos mais deficitários, as que privam de perto com pessoas desestruturadas, são frequentemente as crianças que se apresentam numa situação de maior risco", explicou à SÁBADO Manuel Coutinho, secretário-geral do IAC. Consequentemente há, de acordo com o psicólogo, "um trabalho muito grande a fazer no sentido de perceber claramente onde é que estas crianças se encontram".

"Há ainda em Portugal, e no mundo, uma grande zona cinzenta que leva a que estes casos não sejam conhecidos", contou Manuel Coutinho, explicando que "quando as crianças em risco ou em perigo estão integradas em famílias mais estruturadas" os casos são, muitas vezes, mais facilmente detectados. No entanto, nos casos das crianças "em contextos sociais mais fragilizados, de famílias mais disruptivas", a sociedade por vezes "esquece-se de denunciar essas situações, esquecendo-se também que todas as crianças são crianças e que todas as crianças têm o direito de ser protegidas".

Para continuar a ler
Já tem conta? Faça login
Opinião Ver mais