A história de um cartunista acidental

A história de um cartunista acidental
André Rito 05 de fevereiro de 2017

Foi aluno de Maria Cavaco Silva, o pai é artista plástico e ele podia ter sido advogado. Deixou a tradução e faz bonecos

O apelido holandês combina com a cor do cabelo. Ou com o que resta dele porque Hugo van der Ding já só é ruivo na barba. De resto é um lisboeta de gema com um humor subversivo - e um nome bem português, Hugo Sousa Tavares -, a quem ainda custa acreditar no que lhe aconteceu: começou a desenhar para os amigos e tornou-se um fenómeno. Uma espécie de cartunista de sucesso instantâneo a quem bastou uma caneta bic, uma boa ideia e uma folha em branco. Tradutor de profissão, o autor de A Criada Malcriada prepara-se para lançar O Inspector Acidental, livro que escreveu em quatro dias a convite de Fernando Alvim. Ri-se: "É Natal, o nosso propósito é comercial."

Para continuar a ler
Já tem conta? Faça login
Para activar o código da revista, clique aqui
Investigação
Opinião Ver mais