Juiz suspende nomeação de novo diretor-geral da Polícia Federal do Brasil

Lusa 29 de abril de 2020
Sábado
Leia a revista
Em versão ePaper
Ler agora
Edição de 5 a 11 de agosto
As mais lidas

A nomeação de Jair Bolsonaro foi travada pelo juiz Alexandre de Morais, do Supremo Tribunal Federal brasileiro.

Jair Bolsonaro
Jair Bolsonaro
Jair Bolsonaro
Jair Bolsonaro
Jair Bolsonaro
Jair Bolsonaro
Jair Bolsonaro
Jair Bolsonaro

O juiz Alexandre de Morais, do Supremo Tribunal Federal (STF) brasileiro, suspendeu hoje a nomeação de Alexandre Ramagem para diretor-geral da Polícia Federal, numa decisão provisória após uma ação do Partido Democrático Trabalhista (PDT).

"Defiro a medida liminar para suspender a eficácia do Decreto de 27/4/2020 (DOU de 28/4/2020, Secção 2, p. 1) no que se refere à nomeação e posse de Alexandre Ramagem Rodrigues para o cargo de Diretor-Geral da Polícia Federal", refere o juiz no despacho.

Alexandre Ramagem é delegado da Polícia Federal desde 2005 e já ocupou diversos cargos dentro da corporação. Em 2018, assumiu a coordenação de segurança da campanha presidencial de Jair Bolsonaro, tornando-se seu amigo próximo e dos seus filhos.

O PDT e outros partidos da oposição tentam impedir a sua nomeação, com base em informações do ex-ministro da Justiça Sergio Moro, que declarou publicamente que Bolsonaro despediu o antigo chefe da Polícia Federal Maurício Valeixo para interferir politicamente nas investigações realizadas pela corporação.

Após ter lançado estas acusações contra Jair Bolsonaro, Moro anunciou que iria remeter ao Presidente a sua carta de demissão.

A suspeita levantada pelo ex-ministro da Justiça e Segurança Pública é de que o chefe de Estado do Brasil tentou interferir na Polícia Federal para obter informações sobre investigações sigilosas em inquéritos que envolvem os seus filhos e aliados próximos.

Já Bolsonaro negou que tenha praticado qualquer interferência política naquele órgão e acusou o ex-ministro de o pressionar para ocupar uma cadeira de juiz no Supremo Tribunal Federal (STF), que ficará vaga em novembro.

As declarações de Sergio Moro levaram o procurador-geral da República, Augusto Aras, a pedir uma investigação para apurar as denúncias, já autorizada pelo STF.

Artigos Relacionados