Documentário atribui Salvator Mundi a assistentes de Leonardo da Vinci

Lusa 08 de abril
As mais lidas

O quadro adquirido por cerca de 380 milhões de euros pelo príncipe saudita Mohammed Ben Salman, terá sido pintado pela oficina de Leonardo da Vinci e não pelo próprio mestre.

O 'Salvator Mundi', quadro adquirido por cerca de 380 milhões de euros pelo príncipe saudita Mohammed Ben Salman, terá sido pintado pela oficina de Leonardo da Vinci e não pelo próprio mestre, revela um documentário que será divulgado brevemente.

Salvator Mundi
Salvator Mundi ReutersPersonagens
Paris terá também rejeitado as condições exigidas por Riade para exibir esta obra na exposição dedicada a Leonardo Da Vinci em 2019, no museu Louvre, segundo o documentário que irá estrear em 13 de abril em França, no canal 'France 5'.

O diretor do documentário, Antoine Vitkine, investigou esta pintura comprada em 2005 em mau estado, por 1.175 dólares (cerca de mil euros), por um negociador de arte de Nova Iorque e que foi restaurada nos Estados Unidos, notícia a agência AFP.

A obra foi autenticada como da autoria do pintor italiano por vários especialistas britânicos e vendida a um oligarca russo, que decidiu revendê-lo.

Finalmente, o quadro esteve à venda em novembro de 2017, num leilão de arte contemporânea, sendo apresentado como um original de Leonardo da Vinci.

Apesar da Arábia Saudita nunca ter confirmado que o príncipe é o dono daquela obra, várias fontes indicam que Mohammed Ben Salman a adquiriu através vários intermédios, pelo valor de 450 milhões de dólares (cerca de 380 milhões de euros), sendo estabelecida a marca como a pintura mais cara já vendida.

O 'Salvator Mundi' é uma pintura, no estilo renascentista, de Jesus Cristo, que surge a dar a bênção com mão direita levantada e os dedos cruzados, enquanto segura uma bola de cristal na mão esquerda.

Já em abril de 2018 a dúvida começou a surgir sobre se o trabalho não teria sido executado, em parte, pelas mãos dos assistentes de Leonardo da Vinci.

Pelo meio, o príncipe saudita foi recebido por Emmanuel Macron e segundo fonte da administração francesa, citada no documentário, o 'Salvator Mundi' esteve entre os temas discutidos.

Os sauditas terão pedido à França uma avaliação do quadro, que terá estado durante três meses no Louvre, que abriga um laboratório de análise de obras de arte, o C2RMF.

O estudo da obra demonstrou, segundo a mesma fonte, que o mestre italiano apenas terá contribuído para a fotografia e o Louvre terá informado os sauditas desta conclusão.

Mohammed Ben Salman tinha ainda como pretensão emprestar a pintura ao famoso museu da capital francesa para a grande exposição dedicada a Leonardo da Vinci no final de 2019.

 "O seu pedido era muito claro: expor o 'Salvator Mundi' ao lado da Mona Lisa, e apresentá-lo como um 'da Vinci'. Aceitar estas condições equivaleria elevar o valor da obra a 450 milhões de dólares (cerca de 380 milhões de euros)", sublinhou a mesma fonte.

"No final de setembro [de 2018] o presidente de França decidiu não dar seguimento ao pedido de Ben Salman", acrescentou.

Por fim, o saudita recusou-se também a emprestar o quadro condições diferentes às suas, revela o documentário.

"Antoine Vitkine solicitou declarações ao Louvre, mas não quisemos responder às suas perguntas. O quadro não foi emprestado durante a retrospetiva Leonardo da Vinci", destacou hoje fonte do museu, em declarações à AFP.
Artigos Relacionados