Exército abre processo e dá apoio psicológico a militares após incidente na Póvoa de Varzim

Lusa 25 de novembro
Sábado
Leia a revista
Em versão ePaper
Ler agora
Edição de 30 de novembro a 6 de dezembro
As mais lidas

Numa nota enviada à imprensa o Exército "lamenta o sucedido, encontrando-se a prestar apoio psicológico aos militares envolvidos no incidente e aos familiares da militar desaparecida".

O Exército está a prestar apoio psicológico aos militares arrastados esta sexta-feira por uma onda na Póvoa de Varzim, que causou o desaparecimento de uma jovem deste grupo, e já instaurou um processo de averiguações sobre o incidente.

O ramo adianta que "cerca das cinco da manhã, oito militares, que se encontravam na Póvoa de Varzim, no âmbito da frequência de Cursos de formação na Escola dos Serviços, saíram do estabelecimento de diversão noturna, onde se deslocaram para convívio social, e decidiram ir até junto da linha de água da praia da Lagoa na Póvoa de Varzim".

Numa nota enviada à imprensa o Exército "lamenta o sucedido, encontrando-se a prestar apoio psicológico aos militares envolvidos no incidente e aos familiares da militar desaparecida".

"Foi imediatamente instaurado um processo de averiguações sobre o incidente", adiantam.

Os oito jovens arrastados hoje por uma onda na Praia da Lagoa, um dos quais está desaparecido, são todos militares do Exército em formação na Escola dos Serviço da Póvoa de Varzim, segundo a Autoridade Marítima Nacional (AMN).

Em comunicado, a AMN adianta que os sete militares, que saíram do mar pelo próprio pé, foram transportados para uma unidade hospitalar pelos Bombeiros Voluntários da Póvoa de Varzim e uma jovem com cerca de 20 anos encontra-se desaparecida no mar.

Os elementos do Comando local da Polícia Marítima, da Capitania do Porto e da Estação Salva-vidas da Póvoa de Varzim estão a fazer buscas pela jovem.
Artigos Relacionados