Viúva do militar português morto no Mali ainda não recebeu pensão

Lusa 28 de março de 2018
Sábado
Leia a revista
Em versão ePaper
Ler agora
Edição de 20 a 26 de janeiro
As mais lidas

A viúva do militar português que morreu no Mali aguarda há quase nove meses a "pensão de sangue" que lhe é devida.

A viúva do militar português que morreu no Mali aguarda há quase nove meses a "pensão de sangue" que lhe é devida, disse hoje o dirigente da Associação de Sargentos, Lima Coelho, numa conferência no parlamento.

"Sabemos que as questões que decorrem dos seguros da missão foram imediatamente resolvidas - que têm a ver com a hipoteca da casa, etc -, mas a pensão de sangue, ao abrigo da lei, não foi recebida, tanto quanto soubemos, ontem [terça-feira]", disse depois à Lusa Lima Coelho.

Gil Fernando Paiva Benido, 42 anos, integrava o contingente nacional na missão da União Europeia no Mali, sediada em Bamako, e era adjunto do oficial de transmissões da força portuguesa. Foi morto num atentado terrorista jihadista em Junho do ano passado e deixou dois filhos menores.

O presidente da comissão parlamentar de Defesa Nacional, Marco António Costa (PSD), declarou "sentir vergonha" da situação. "Hoje mesmo procurarei obter informação útil sobre essa matéria", acrescentou.

A família do militar recebeu, na semana passada, uma medalha póstuma. "A família não se alimenta de medalhas", salientou Lima Coelho. 
Descubra as
Edições do Dia
Publicamos para si, em três periodos distintos do dia, o melhor da atualidade nacional e internacional. Os artigos das Edições do Dia estão ordenados cronologicamente aqui , para que não perca nada do melhor que a SÁBADO prepara para si. Pode também navegar nas edições anteriores, do dia ou da semana
Artigos Relacionados
Investigação
Opinião Ver mais