Portugal recebe cerca de 150 refugiados que estão no Egipto

Lusa 18 de outubro de 2018
As mais lidas

O ministro da Administração Interna, Eduardo Cabrita, referiu que o primeiro grupo de mais de mil pessoas que vão ser reinstaladas em Portugal até 2019 será recebido já em Novembro.

Portugal vai receber, em Novembro, cerca de 150 refugiados que estão no Egipto, primeiro grupo de mais de mil pessoas que vão ser reinstaladas em Portugal até 2019, disse esta quinta-feira o ministro da Administração Interna.

"Vamos receber em Novembro, a partir do Egipto, cerca de centena e meia de refugiados que foram objecto de uma primeira missão de selecção que decorreu em Junho", disse à agência Lusa Eduardo Cabrita, após ter participado em Viena, Áustria, numa conferência sobre migrações.

Ao abrigo do programa europeu de reinstalação, aprovado em 2017 pela Comissão Europeia, Portugal manifestou disponibilidade para acolher mais de mil refugiados até ao final de 2019 e que se encontram em campos de refugiados no Egipto e Turquia.

Inspectores do Serviço de Estrangeiros e Fronteiras, juntamente com uma equipa do Alto Comissariado para as Migrações, realizaram em Junho, no Egipto, uma missão de contacto e entrevistas a estes cerca de 150 refugiados que chegam a Portugal em Novembro

Eduardo Cabrita adiantou que ainda este ano vão ser feitas novas missões de selecção no Egipto e, pela primeira vez, na Turquia.

"Estes refugiados são oriundos de países terceiros e seleccionados pelo Alto Comissariado das Nações Unidas para os Refugiados e pela Organização Internacional para as Migrações", disse.

O ministro adiantou também que, na próxima semana, vai deslocar-se à Grécia para visitar as estruturas da GNR e SEF que estão a realizar neste país missões no âmbito da agência europeia de controlo de fronteiras (Frontex), bem como discutir com o governo grego um programa de cooperação bilateral de apoio em matéria de migrações.

Na conferência em Viena, organizada pelo Centro Internacional sobre o Desenvolvimento de Política Migratória (ICMPD), Eduardo Cabrita defendeu a necessidade "de existir uma visão global na abordagem deste fenómeno".

"Temos de ter fronteiras seguras, mas a Europa tem de ter uma política comum de apoio à migração legal", disse, assumindo que Portugal vai precisar de migrantes, desde estudantes a técnicos qualificados.

O governante afirmou que Portugal tem encontrado, juntamente com Espanha, França e Alemanha, soluções para acolher migrantes que estão em embarcações no meio do Mediterrâneo.

Mas, segundo o ministro, que participou no debate juntamente com membros dos governos da Holanda, Alemanha, Turquia, Afeganistão e Tunísia, "este não é o modelo".

"O modelo tem de assentar, primeiro, numa resposta europeia estável e permanente e, em segundo lugar, temos de olhar para o futuro e aí a prioridade deve ser a cooperação com África", defendeu.

Eduardo Cabrita adiantou que "a única forma de trabalhar os fenómenos migratórios a longo prazo é a postar no desenvolvimento dos países africanos" através na educação das raparigas, melhoria dos cuidados de saúde e investimento.

O ministro disse que este diálogo tem de ir "muito para além do espaço lusófono", nomeadamente países do norte de África, Magrebe e África Ocidental.

Na conferência, Eduardo Cabrita destacou ainda a posição portuguesa sobre esta matéria: "Não há em Portugal, no parlamento, quem tenha uma posição contrária ao acolhimento de migrantes ou de refugiados".

A ICMPD é uma organização internacional que visa promover a cooperação internacional na área das políticas migratórias. Portugal é membro do ICMPD desde 2003.
Descubra as
Edições do Dia
Publicamos para si, em três periodos distintos do dia, o melhor da atualidade nacional e internacional. Os artigos das Edições do Dia estão ordenados cronologicamente aqui , para que não perca nada do melhor que a SÁBADO prepara para si. Pode também navegar nas edições anteriores, do dia ou da semana
Artigos Relacionados
Investigação
Opinião Ver mais