Marcelo: "O chato do costume" diz que "não se pode esquecer Tancos"

Lusa 26 de outubro de 2018
Sábado
Leia a revista
Em versão ePaper
Ler agora
Edição de 21 a 27 de janeiro
As mais lidas

Presidente da República explicou porque reforçou sempre a necessidade de apurar responsabilidades sobre o fruto

O Presidente da República, Marcelo Rebelo de Sousa, insistiu que o caso de Tancos "não se pode esquecer nem se pode minimizar", afirmando-se "o chato do costume" que não desiste de reclamar a necessidade de apuramento dos factos.

Marcelo Rebelo de Sousa
Marcelo Rebelo de Sousa
Marcelo Rebelo de Sousa
Marcelo Rebelo de Sousa
Marcelo Rebelo de Sousa
Marcelo Rebelo de Sousa
Marcelo Rebelo de Sousa
Marcelo Rebelo de Sousa
Marcelo Rebelo de Sousa
Marcelo Rebelo de Sousa
Marcelo Rebelo de Sousa
Marcelo Rebelo de Sousa

O Presidente da República, Marcelo Rebelo de Sousa, insistiu que o caso de Tancos "não se pode esquecer nem se pode minimizar", afirmando-se "o chato do costume" que não desiste de reclamar a necessidade de apuramento dos factos.

Em declarações aos jornalistas, em Coimbra, Marcelo Rebelo de Sousa disse ter regressado ao tema do furto de armamento nos paióis de Tancos, em Junho de 2017, após o seu reaparecimento, cerca de três meses depois, porque não minimizou o caso após esse momento, ao contrário de outros, que não nomeou.

"Eu fui o chato do costume, por uma razão muito simples: porque eu sou comandante supremo das Forças Armadas e Presidente da República e ali não era apenas o cidadão Marcelo Rebelo de Sousa. É alguém que é responsável e que acha que não se pode esquecer nem se pode minimizar [o sucedido em Tancos]", afirmou Marcelo Rebelo de Sousa.

"Porque houve quem minimizasse quando foram descobertas as armas e dissesse: 'bom, está tudo bem, pois se elas foram e vieram, olha, ainda bem, ainda ganhámos mais uma caixa'. Devo dizer que nunca partilhei essa visão porque achei que era tão grave que o apuramento de responsabilidades não podia ser tratado com leveza", argumentou o chefe de Estado.

O Presidente da República justificou, assim, a necessidade de apuramento dos factos, tanto quanto ao furto como em relação à recuperação do material militar.

"Portanto, insisti, insisti, insisti e insisto", enfatizou o chefe de Estado, pedindo celeridade à investigação: "Aquilo que eu espero é não ter de passar mais um ano ou ano e meio a insistir, e qualquer dia até ao final do meu mandato", desabafou.

Marcelo Rebelo de Sousa reiterou ainda que é necessário deixar o Ministério Público e a investigação criminal "apurar exactamente nos vários momentos quem fez, quem não fez mas soube, quem não fez, soube e encobriu" e "como foi" que o furto das armas ocorreu, alegando que o País "precisa de virar a página" de Tancos. "Não sem antes responsabilizar quem esteve envolvido", reforçou. 

Descubra as
Edições do Dia
Publicamos para si, em três periodos distintos do dia, o melhor da atualidade nacional e internacional. Os artigos das Edições do Dia estão ordenados cronologicamente aqui , para que não perca nada do melhor que a SÁBADO prepara para si. Pode também navegar nas edições anteriores, do dia ou da semana.
Boas leituras!
Artigos Relacionados
Opinião Ver mais