EXCLUSIVO: Médico do "bebé sem rosto" diz que ecografias são meros "souvenirs"

EXCLUSIVO: Médico do 'bebé sem rosto' diz que ecografias são meros 'souvenirs'
Ana Taborda 27 de maio

Ordem dos Médicos defendeu que 10 das malformações de Rodrigo podiam ter sido detetadas nas ecografias feitas à mãe. Porém, o Ministério Público arquivou processo sem sequer ouvir o médico. A SÁBADO revela todos os pormenores da investigação.

As imagens da ecografia feita a uma grávida podem ser apenas um "souvenir" ou uma "recordação"? Fotografias que se entregam aos pais por "graça", "gentileza" e razões "lúdicas-afetivas", mas sem "qualquer preocupação de rigor ou precisão médica" nem "valor documental"? Para Artur Carvalho, sim. Este é, aliás, um dos argumentos que o obstetra utilizou para se defender de um processo disciplinar movido pela Ordem dos Médicos – que propôs a sua expulsão depois de várias acusações de negligência em ecografias obstétricas que não detetaram malformações graves em fetos.

No caso de Rodrigo, que nasceu sem nariz, com parte do cérebro a descoberto e muitos outros problemas, dificilmente o relatório final da Ordem dos Médicos – que a SÁBADO consultou, tal como o restante processo, em Setúbal –, poderia ser mais duro. O médico que fez as três ecografias a Marlene Simão é acusado de "negligência grosseira", "má prática médica" e de ter cometido "erros indesculpáveis". De acordo com o documento, "é altamente censurável (...) não ter logrado detetar nessas ecografias nenhuma das múltiplas anomalias e malformações do feto, quando é certo que várias delas já eram perfeitamente visíveis na 1ª ecografia e as restantes na 2ª ecografia, sendo demonstrativo de uma particular incompetência (...) nem sequer ter conseguido detetá-las na 3ª ecografia".

No parecer que sustenta este relatório, João Paulo Marques – o médico indicado pelo Colégio da Especialidade de Ginecologia/Obstetrícia para assessorar a investigação a Artur Carvalho no caso que ficou conhecido como o "bebé sem rosto" – enumera as malformações possíveis de detetar antes do nascimento. São, no total, 10. É o caso, por exemplo, da formação incompleta da cabeça de Rodrigo, do facto de não ter fossas nasais, osso no nariz ou globo ocular esquerdo. Sete malformações ao nível do sistema nervoso central e três problemas na cara podiam ter sido detetados antes do seu nascimento, a 7 de outubro de 2019 no Hospital de São Bernardo, em Setúbal.

Para continuar a ler
Já tem conta? Faça login
Para activar o código da revista, clique aqui
Investigação
Opinião Ver mais