Direcção do Chega contesta acção do Ministério Público

Direcção do Chega contesta acção do Ministério Público
Alexandre R. Malhado 08 de setembro

Lei afirma que Ministério Público pode "apreciar e declarar a ilegalidade de qualquer norma dos estatutos dos partidos políticos". Militantes suspensos querem voltar — e já afiam as facas a Ventura.

O Chega tem a defesa montada contra as acusações do Ministério Público, que considerou ilegal a convocatório do segundo congresso do partido, realizado em Évora a setembro de 2020, pedindo ao Tribunal Constitucional que invalide todos os atos do partido desde então. Desde que a notícia saiu, a Direção Nacional começou a "preparar a documentação" para contestar dentro do prazo de 10 dias que tem para se pronunciar, revelou fonte da cúpula do Chega à SÁBADO. O problema é que, segundo a lei, a defesa do líder do Chega pode não ter substância.

Para continuar a ler
Já tem conta? Faça login
Para activar o código da revista, clique aqui
Investigação
Opinião Ver mais