Defesa de pais de menina chinesa que caiu de andar em Lisboa vai pedir a nulidade do julgamento

Lusa 27 de setembro de 2017
Sábado
Leia a revista
Em versão ePaper
Ler agora
Edição de 21 a 27 de janeiro
As mais lidas

Casal está a ser julgado na sequência da morte de Yixuan Wu, a filah de cinco anos, que terão deixado sozinha no apartamento

Os pais da menina chinesa de cinco anos, que morreu após cair do 21.º andar de um edifício no Parque das Nações, em Lisboa, começaram hoje a ser julgados, mas a defesa vai pedir a nulidade do julgamento.

Bruno Colaço / Correio da Manhã
Na primeira sessão do julgamento, que arrancou hoje no Campus da Justiça, em Lisboa, sem a presença dos arguidos, o advogado do casal reiterou o que já tinha escrito no requerimento enviado em Julho ao tribunal, a dar conta de que a tradução da acusação de português para mandarim refere que os arguidos foram "condenados à pena de morte", entre outros erros, o que levou, na ocasião, a pedir a nulidade da tradução da acusação do Ministério Público.

Contudo, o colectivo de juízes, presidido por Pedro Nunes, não deu provimento ao recurso, sustentando que, "não obstante à leitura e interpretação pelos arguidos e a alegada confirmação por dois tradutores, em momento algum foi junto aos autos pela defesa" elementos que levassem à "retirada de tais conclusões".

O juiz-presidente acrescentou que, em resposta recepcionada na terça-feira, a tradutora confirmou que a tradução "está fiel ao original escrito em língua portuguesa", negando a existência de erros e de que em alguma parte da transcrição esteja mencionado que "os arguidos foram condenados à pena de morte".

Assim, o colectivo de juízes entendeu não existirem nulidades e ordenou o início ao julgamento.

Correia de Almeida, advogado dos arguidos, contestou e disse que vai recorrer desta decisão para o Tribunal da Relação de Lisboa a pedir a nulidade deste ato, consequentemente do julgamento, por estar em causa "uma clara violação das garantias e direitos de defesa" dos arguidos.

O advogado reforçou, por várias vezes, que a tradutora que respondeu ao tribunal na terça-feira a confirmar que a tradução estava em conformidade com o original em português, não é a mesma que, segundo Correia de Almeida, fez a tradução da acusação que serviu para notificar o casal, que se encontra na China.

À saída do Campus da Justiça, o advogado reiterou aos jornalistas que vai pedir a nulidade desta sessão e das que se vierem a realizar, explicando que os seus constituintes não se deslocaram hoje a Portugal porque não estão devidamente notificados da acusação.

Correia de Almeida revelou ainda que, quando for ouvido, o pai da menina tem intenção de prestar declarações.

Durante a manhã foram inquiridos os dois inspectores da Polícia Judiciária responsáveis pelo inquérito, que relataram as diligências efectuadas, e três testemunhas: a vizinha que residia no mesmo andar, uma jovem que residia na torre da frente e o vigilante da Torre de São Rafael, de onde caiu a criança.

As duas mulheres contaram que na madrugada de 19 de Fevereiro de 2016 ouviram uma criança a chorar, durante bastante tempo, enquanto o vigilante contou que o casal - às vezes sozinhos, outras acompanhados um do outro -, já tinham saído do prédio noutras noites.

O julgamento continua durante a tarde para a inquirição de mais três testemunhas.

Os arguidos, ambos com 40 anos, estão acusados de um crime de exposição ou abandono, agravado pelo resultado da morte da criança que, segundo o despacho de pronúncia, ficou sozinha enquanto o casal foi para o Casino de Lisboa.

Na madrugada de 19 de Fevereiro de 2016, segundo a pronúncia, os arguidos deixaram Yixuan Wu, de cinco anos, sozinha na sua residência, presumivelmente a dormir, entre as 00:00 e as 03:11, tendo ido jogar para o Casino de Lisboa.

Ao saírem da residência, na Avenida do Índico, os arguidos deixaram a porta da entrada da casa fechada apenas no trinco e a porta da varanda igualmente fechada, sendo que esta apenas dispõe de mecanismo de fecho simples e abertura por maçaneta tipo alavanca, sem fechadura e sem sistema de bloqueio.

Na ausência do casal, a criança, terá acordado e, ao ver-se sozinha, terá andado pela casa em busca dos pais, acabando por se dirigir à varanda após abrir a porta que lhe dava acesso, tendo aí acabado por subir o gradeamento e caído de uma altura de cerca de 80/90 metros, que lhe provocou a morte.
Descubra as
Edições do Dia
Publicamos para si, em três periodos distintos do dia, o melhor da atualidade nacional e internacional. Os artigos das Edições do Dia estão ordenados cronologicamente aqui , para que não perca nada do melhor que a SÁBADO prepara para si. Pode também navegar nas edições anteriores, do dia ou da semana.
Boas leituras!
Artigos Relacionados
Opinião Ver mais