Coronavírus: Costa elogia cidadãos por "comportamento exemplar"

Lusa 11 de março de 2020
Sábado
Leia a revista
Em versão ePaper
Ler agora
Edição de 6 a 12 de maio
As mais lidas

"Menos beijinhos, menos apertos de mãos. Esse tem sido um esforço muito importante, mesmo a forma como as pessoas, voluntariamente, se têm disponibilizado a ficar em situação de confinamento", salientou o PM.

O primeiro-ministro português, António Costa, elogiou hoje, em Berlim, o sistema político e os cidadãos pelo "comportamento exemplar" que tem dado "bons resultados", retardando a "expansão da epidemia" de Covid-19.

António Costa
António Costa
António Costa
António Costa

"Um dos fatores que retardou a expansão da epidemia em Portugal foi o facto dos portugueses espontaneamente terem aderido às recomendações que foram dadas, quer de higiene pessoal de lavar as mãos, quer de adequarmos uma nova forma de nos cumprimentarmos", disse António Costa.

"Menos beijinhos, menos apertos de mãos, mais acenos de cabeça e acenos de mãos. Esse tem sido um esforço muito importante, mesmo a forma como as pessoas, voluntariamente, se têm disponibilizado a ficar em situação de confinamento", salientou.

António Costa falou aos jornalistas depois de um jantar com Angela Merkel, na Chancelaria Federal, em que o tema do novo coronavírus também esteve em discussão.

O primeiro-ministro convocou para quinta-feira os líderes de todos os partidos com assento parlamentar, para a sua residência oficial, em São Bento, em Lisboa.

"Estou sobretudo à espera de poder dar informação daquilo que está a ser feito, ouvir as críticas que os partidos tenham a fazer, as sugestões a apresentar, porque obviamente isto não é uma guerra entre o partido do vírus e o partido contra o vírus", adiantou.

"Esta é uma batalha em que, felizmente, estamos todos juntos contra uma pandemia global e temos de encontrar as melhores respostas possíveis (...). Temos de ter uma visão comum porque é um esforço nacional, e digo mesmo mundial, que temos todos de o fazer em conjunto", salientou.

António Costa salientou que "é dever do Governo ouvir os outros partidos, as ideias que têm, tomar nota de críticas que tenham a fazer".

"Até agora, quer o conjunto do sistema político, quer sobretudo os cidadãos, têm tido um comportamento exemplar nesta situação de crise. Acho que é assim que temos de continuar, porque tem dado bons resultados", defendeu.

António Costa jantou hoje com Merkel, uma reunião de trabalho que considerou necessária para debater temas como o orçamento comunitário, os novos conselhos europeus e a presidência portuguesa da União Europeia.

"Acho que temos de evitar as deslocações não necessárias. Esta é a grande prioridade do momento, mas há um trabalho que não pode deixar de ser continuado, nomeadamente, o esforço de negociação que temos de fazer todos para encontrar tão cedo quanto possível um acordo sobre o quadro financeiro plurianual da União Europeia (...)", acrescentou.

O chefe do executivo português lembrou que "o tempo vai continuar a correr e não vai ficar à espera de que o coronavirus fique resolvido", pelo que é preciso "continuar a trabalhar".

António Costa despediu-se de Angela Merkel com um aceno de cabeça, repetindo a saudação inicial.

Descubra as
Edições do Dia
Publicamos para si, em três periodos distintos do dia, o melhor da atualidade nacional e internacional. Os artigos das Edições do Dia estão ordenados cronologicamente aqui , para que não perca nada do melhor que a SÁBADO prepara para si. Pode também navegar nas edições anteriores, do dia ou da semana
Artigos Relacionados
Investigação
Opinião Ver mais