Aumentaram as escolas que inflacionam notas dos alunos

Lusa 27 de junho de 2020
As mais lidas

Vinte escolas inflacionaram as notas dos alunos do secundário em 2018/2019, um aumento de duas em relação ao ano letivo anterior. Prática continua a ser mais habitual entre os privados: dos 20 estabelecimentos de ensino, 15 são particulares.

Vinte escolas inflacionaram as notas dos alunos do secundário, segundo uma análise da Lusa a dados do Ministério da Educação que avaliam as notas dos últimos anos e mostram que esta prática é mais habitual entre colégios.

Computadores escolas
Computadores escolas

Desde o ano letivo de 2014/2015 que 20 escolas secundárias dão sempre notas mais altas do que deveriam, revelam dados do Ministério da Educação (ME) numa análise que compara as notas dos alunos pelo trabalho desenvolvido ao longo do ano em sala de aula e os resultados obtidos nos exames nacionais.

Para identificar as escolas que estão a dar notas acima do espetável, o Ministério compara as classificações internas atribuídas pela escola com as notas atribuídas por todas as outras escolas do país a alunos que tiveram resultados semelhantes nos exames nacionais.

Uma vez que este procedimento pode permitir a um aluno passar à frente no acesso ao ensino superior, desde 2019, os inspetores da Inspeção-Geral da Educação e Ciência GEC instauraram duas dezenas de inquéritos por terem sido detetadas escolas com uma concentração "de um conjunto de classificações anormalmente elevadas", revelou o ME.

Este trabalho originou 57 processos disciplinares, dos quais cerca de duas dezenas estão em fase de conclusão, estando os restantes a correr os seus termos, segundo informações avançadas à Lusa pelo ME, que acrescentou que esse mês a IGEC iniciou um conjunto de inspeções a cem escolas secundárias.

Os dados do ME hoje divulgados mostram que em relação ao ano anterior houve um aumento de dois estabelecimentos de ensino a inflacionar as notas, passando de 18 para 20.

A lista elaborada pela Lusa mostra que inflacionar as notas continua a ser uma prática mais habitual entre os privados, já que dos 20 estabelecimentos de ensino, 15 são particulares.

Habitualmente, os alunos têm piores desempenhos quando chegam às provas. No ano passado, segundo uma análise da Lusa, registou-se uma diferença média de cerca de três valores numa escala de zero a 20.

No ano passado, a média dos mais de 25 mil exames realizados pelos alunos dos colégios foi de 12,69 valores enquanto a nota interna dada pelos professores foi de 15,15 valores.

Nas escolas públicas, a média dos quase 200 mil exames foi de 10,95 e a nota interna foi de 13,71 valores.

Mas também existem estabelecimentos de ensino que, invariavelmente, dão notas mais baixas do que os alunos mereceriam tendo em conta as medias nacionais, sendo esta uma prática mais visível entre as escolas públicas.

No ano passado, houve 14 escolas que deflacionaram as notas dos seus alunos, segundo uma análise feita pela Lusa, que revela que são menos duas do que as identificadas no ano anterior.

Descubra as
Edições do Dia
Publicamos para si, em três periodos distintos do dia, o melhor da atualidade nacional e internacional. Os artigos das Edições do Dia estão ordenados cronologicamente aqui , para que não perca nada do melhor que a SÁBADO prepara para si. Pode também navegar nas edições anteriores, do dia ou da semana
Artigos Relacionados
Investigação
Opinião Ver mais