Os chás que matam
Carlos Torres Editor Executivo
25 de agosto

Os chás que matam

Dominou o mundo do futebol com a Olivedesportos e depois apostou nos media: esta semana, abordamos a ascensão e queda de Joaquim Oliveira. E contamos-lhe como o candidato à Câmara de Lisboa Carlos Moedas sofreu com as perguntas da SÁBADO - um treino para os frente-a-frente com Medina.

Apesar da elevada dívida junto do Novo Banco, Joaquim Oliveira passou ao lado da comissão parlamentar de inquérito. Em 2019, um tribunal declarou a falência da Controlinveste SGPS, cujo passivo ascendia aos 750 milhões de euros, mas o antigo dono do Jornal de Notícias, Diário de Notícias e TSF continua - como constatou o subdiretor Carlos Rodrigues Lima - a manter os mesmos hábitos: golfe, bons restaurantes e o indispensável charuto. Se a Controlinveste foi um mau negócio, a entrada no mundo das apostas online terá rendido 50 milhões de euros. Nos últimos meses, a SÁBADO recolheu vários documentos sobre os negócios do empresário com o antigo Banco Espírito Santo e como chegou a acordo para limpar as dívidas.

Uma entrevista-treino
À saída da entrevista, Carlos Moedas cruzou-se nos corredores da Cofina com uma conhecida que o cumprimentou bem-disposta e perguntou, “então, tudo bem?” O candidato à Câmara de Lisboa, acabado de sair do estúdio, respondeu: “Sim, tudo bem.” E logo em seguida corrigiu: “Bem, quer dizer, podia estar melhor” – numa referência à entrevista, mas com uma gargalhada bem-disposta. A entrevista, feita pelas jornalistas Maria Henrique Espada e Margarida Davim, foi dura, mas em 70 minutos o candidato nunca perdeu a fleuma. Na verdade, Moedas está já em treinos para os frente-a-frente com Fernando Medina, que sabe determinantes. Diz que não tem a carreira só de política do adversário – só lá chegou aos 41 anos –, mas há truques do ofício que já aprendeu, como o de, ao cruzar os braços para a foto, deixar as mãos sobre o braço, e não sob, para não parecer que tem o braço “cortado”. Os detalhes contam.

Os suplementos milagrosos
Falar com médicos especialistas em doenças do fígado sobre suplementos alimentares que se apresentam como chás, comprimidos e cápsulas é tocar numa ferida aberta que não sara ao longos dos anos. Alguns testemunharam à jornalista Susana Lúcio o sofrimento de doentes que estiveram à beira da morte e outros que não conseguiram salvar por causa de chás e cápsulas que se vendem nos supermercados e farmácias e, como não são medicamentos, não são regulados pelo Infarmed. “Eu informei a Direção-Geral da Alimentação e Veterinária para o caso daquela rapariga que morreu por ter tomado um chá para emagrecer”, contou a hepatologista do Hospital Garcia de Orta, Cristina Fonseca. E a resposta? “Apenas disseram que iam informar a marca do produto.”

Mais crónicas do autor
20 de outubro

Roteiros para o descanso

Preparámos-lhe cinco roteiros gastronómicos para aproveitar o feriado; falámos com os investigadores Pedro Magalhães e Luís de Sousa sobre corrupção; fomos ver os vestidos que Paula Bobone vai leiloar; e entrevistámos o astronauta português João Lousada, que está a treinar para ir a Marte.

13 de outubro

Bastidores: Uma mulher discreta

Revelamos os testamentos de Maud Queiroz Pereira; falámos com a britânica Michela Wrong sobre a violência no Norte de Moçambique; contamos a história de Dulce Correia, cuja vida inspirou a série Vanda; e entrevistamos o herói do futsal Pany Varela

06 de outubro

Os melhores negócios

Contamos-lhe histórias de bons negócios na área do imobiliário; revelamos o conteúdo do novo livro de Gonçalo Amaral sobre a investigação alemã ao desaparecimento de Madeleine McCann; e trazemos novidades sobre o caso Raquel Varela.

29 de setembro

O outro lado de Moedas

Fazemos um retrato de Carlos Moedas, entrevistámos o ministro das Finanças a poucos dias da entrega da proposta de Orçamento do Estado e fizemos uma prova cega com crianças para ver o que elas acham de alimentos sem açúcar

22 de setembro

O mundo dos negacionistas

O jornalista Alexandre R. Malhado criou um novo perfil no Facebook para se infiltrar no mundo dos negacionistas, para quem os centros de vacinação são “um matadouro”. E ainda: o estranho caso da presidente da junta de Arroios; como está a saúde em Portugal; a Aldeia das Divorciadas.

Mostrar mais crónicas
Tópicos Bastidores 904