Moro acusa Bolsonaro de ingerência:"Você tem 27 superintendências, eu quero apenas uma, a do Rio de Janeiro"

Lusa 06 de maio de 2020
As mais lidas

Moro reiterou no seu depoimento que decidiu renunciar ao cargo de Ministro da Justiça quando o presidente do Brasil lhe comunicou a sua irreversível decisão de substituir o então diretor geral da Polícia Federal Mauricio Valeixo, sem motivo aparente.

O ex-ministro brasileiro Sérgio Moro denunciou, em depoimento à justiça, que o presidente, Jair Bolsonaro, queria controlar a Polícia Federal do Rio de Janeiro através da indicação de um novo superintendente para aquele departamento.

Sergio Moro
Sergio Moro EPA/JOEDSON ALVES

"Moro você tem 27 superintendências, eu quero apenas uma, a do Rio de Janeiro", terá dito Bolsonaro ao ex-ministro da Justiça, segundo o depoimento prestado por Moro no último sábado, numa investigação que tenta esclarecer uma suposta interferência ilegal do chefe de Estado na Polícia Federal, um órgão autónomo.

Segundo Moro, a "pressão" para substituir o superintendente da Polícia Federal do Rio de Janeiro, mudança que foi confirmada hoje por Bolsonaro, começou no final de agosto de 2019 e cresceu até há algumas semanas, quando o mandatário lhe disse que poderia ser demitido caso não aceitasse essa alteração.

As alegadas "pressões" e "interferências" de Bolsonaro na Polícia Federal são investigadas pela Procuradoria Geral da República do Brasil, sob a supervisão do Supremo Tribunal Federal (STF) e, se comprovadas, podem levar o Presidente a ser submetido a um julgamento, ou até mesmo à sua destituição do cargo presidencial.

Moro reiterou no seu depoimento que decidiu finalmente renunciar ao cargo de Ministro da Justiça, que ocupava desde janeiro de 2019, quando Bolsonaro lhe comunicou a sua irreversível decisão de substituir o então diretor geral da Polícia Federal Mauricio Valeixo, sem motivo aparente.

Como substituto, Bolsonaro disse que indicaria o comissário Alexandre Ramagem, conhecido publicamente como amigo da família Bolsonaro, ao qual Moro se opôs categoricamente e optou por renunciar ao cargo de ministro, em 24 de abril.

Dias depois, Bolsonaro efetivamente nomeou Ramagem como diretor da Polícia Federal, mas a indicação foi anulada após um juiz do STF ter decretado a sua suspensão, devido, justamente, à proximidade do agente à família do governante, principalmente a dois dos seus filhos, investigado por essa instituição.

Bolsonaro nomeou então Rolando De Souza, considerado "braço direito" de Ramagem, que assumiu o cargo apenas uma hora depois de ser nomeado, na segunda-feira.

Logo após ter tomado posse, Rolando De Souza atendeu ao desejo de Bolsonaro, e retirou Carlos Henrique Oliveira do comando da superintendência da Polícia Federal do Rio de Janeiro.

Na manhã de hoje, Bolsonaro confirmou que Carlos Henrique Oliveira deixará a superintendência da Polícia Federal do Rio de Janeiro e passará para a subdireção nacional do órgão.

Bolsonaro sustentou que se tratou de uma decisão interna da instituição, na qual não "interferiu", embora tenha-se recusado a responder a perguntas sobre o assunto e mandado "calar a boca" de jornalistas que tentaram esclarecer o tema.

Quando anunciou a saída de Mauricio Valeixo da direção da Polícia Federal, Bolsonaro declarou que se tratou de um pedido do próprio, justificado por "cansaço". Contudo, segundo Moro, a exaustão devia-se às "próprias pressões do Presidente", e que Bolsonaro comunicou a Valeixo que colocaria, em Diário Oficial da União", que a exoneração seria "a pedido" do então diretor.

Moro disse ainda que Bolsonaro tentou indicar outros nomes para a Polícia Federal, mas que "não tinham qualificação necessária para o cargo" e tinham também ligações à sua família.

De acordo com os documentos revelados pela Justiça, Moro, que ficou famoso como magistrado da operação anticorrupção Lava Jato e por condenar vários empresários e políticos, incluindo o ex-Presidente do país Luiz Inácio Lula da Silva, esclareceu que nunca afirmou que Bolsonaro "poderia ter cometido qualquer crime" e "que essa avaliação cabe às instituições competentes".

Segundo o ex-juiz, a suspeita de possíveis crimes veio da Procuradoria Geral da República, quando pediu ao Supremo Tribunal que investigasse as declarações que proferiu ao renunciar ao Governo.

De acordo com o testemunho de Moro à justiça, as "pressões" que afirma ter sofrido por parte de Bolsonaro foram testemunhadas por alguns ministros e até gravadas em vídeo pela Presidência, em algumas reuniões do executivo.

No âmbito da investigação, o Ministério Público solicitou ao Supremo Tribunal uma audição dos ministros da Secretaria de Governo, Luiz Eduardo Ramos, do Gabinete de Segurança Institucional da Presidência, Augusto Heleno, e da Casa Civil, Braga Netto, "para o esclarecimento dos factos", assim como a deputada federal Carla Zambelli, aliada de Bolsonaro e mencionada nas alegadas provas apresentadas por Sergio Moro.

Na tarde de hoje, o STF aprovou o pedido da audição dos ministros, da deputada e delegados da Polícia, assim como a entrega de gravação da reunião em que os ministros testemunharam as alegadas acusações de Moro contra Bolsonaro.

Descubra as
Edições do Dia
Publicamos para si, em três periodos distintos do dia, o melhor da atualidade nacional e internacional. Os artigos das Edições do Dia estão ordenados cronologicamente aqui , para que não perca nada do melhor que a SÁBADO prepara para si. Pode também navegar nas edições anteriores, do dia ou da semana
Artigos Relacionados
Investigação
Opinião Ver mais