Covid-19: Reino Unido regista mais 171 mortes e forte aumento desde a véspera

Lusa 23 de junho de 2020
As mais lidas

Foram diagnosticados 874 novos infetados em 237.142 testes efetuados, pelo que o número de casos de contágio aumentou para 306.210 desde o início da pandemia.

O Reino Unido registou 171 mortes nas últimas 24 horas, elevando para 42.927 o total acumulado durante a pandemia da covid-19, informou hoje o ministério da Saúde britânico. 

Foram diagnosticados 874 novos infetados em 237.142 testes efetuados, pelo que o número de casos de contágio aumentou para 306.210 desde o início da pandemia.

Na segunda-feira, o balanço tinha sido de mais 15 mortes e 958 novos infetados relativamente à véspera, mas os valores durante o fim de semana são regularmente afetados pela demora no processo administrativo do registo dos óbitos. 

De acordo com o primeiro-ministro britânico, Boris Johnson, a média semanal de óbitos caiu de um pico de 943 a 14 de abril para 130 na segunda-feira, o que permite ao governo levantar mais restrições, com a reabertura de restaurantes, bares e cabeleireiros a partir de 04 de julho. 

Crucial para esta decisão é a redução da regra de distanciamento social de dois metros para "um metro ou mais" nestes locais, que terão de adotar outras medidas, como o uso de painéis protetores, gel desinfetante e redução da capacidade.   

Hotéis e outro tipo de alojamento turístico, ginásios e parques infantis ao ar livre, cinemas, museus, galerias, parques temáticos, bibliotecas, salas de jogos e locais de culto também vão poder abrir. 

Mas espaços que exigem muita proximidade vão continuar fechados, como discotecas, ginásios em espaços fechados, piscinas, parques aquáticos, ‘spas’ e salas de bowling. 

O plano afeta apenas Inglaterra, já que Escócia, País de Gales e Irlanda do Norte têm autonomia sobre as regras do confinamento nos respetivos territórios e adotaram calendários e medidas diferentes. 

"Como já vimos em outros países, vão existir surtos para os quais serão necessárias medidas locais e não hesitaremos em aplicar os travões e reintroduzir restrições mesmo em nível nacional se for necessário", alertou Johnson, durante uma declaração no parlamento britânico.

De acordo com números publicados hoje pelo instituto de estatísticas britânico ONS relativamente a Inglaterra e País de Gales, juntamente com dados da Escócia, País de Gales e Irlanda do Norte, o número de casos confirmados e suspeitos de mortes por covid-19 já chegou a 54 mil. 

Este valor é mais alto do que o balanço diário do governo porque usa como fonte as certidões de óbito, que podem levar algumas semanas para serem emitidas e que incluem os casos suspeitos e não apenas os casos confirmados por teste.

O excesso de mortalidade, que inclui todas as mortes resultantes indiretamente da pandemia e compara o valor com a média dos últimos cinco anos, ultrapassou os 64 mil óbitos durante o período da pandemia covid-19. 

Este é considerado o melhor indicador do impacto do vírus, pois fornece uma visão ao longo de períodos históricos e inclui a mortalidade por todas as causas, incluindo aquelas que possam ser uma  consequência da crise, como a falta de assistência médica.

A pandemia de covid-19 já provocou mais de 472 mil mortos e infetou mais de 9,1 milhões de pessoas em 196 países e territórios, segundo um balanço feito pela agência francesa AFP.

Em Portugal, morreram 1.540 pessoas das 39.737 confirmadas como infetadas, de acordo com o boletim mais recente da Direção-Geral da Saúde.

A doença é transmitida por um novo coronavírus detetado no final de dezembro, em Wuhan, uma cidade do centro da China.

Descubra as
Edições do Dia
Publicamos para si, em três periodos distintos do dia, o melhor da atualidade nacional e internacional. Os artigos das Edições do Dia estão ordenados cronologicamente aqui , para que não perca nada do melhor que a SÁBADO prepara para si. Pode também navegar nas edições anteriores, do dia ou da semana
Artigos Relacionados
Opinião Ver mais