Cinco portugueses entre os selecionados para missões europeias de investigação

Lusa 01 de agosto de 2019
As mais lidas

Vão integrar missões de adaptação às alterações climáticas, cancro, oceanos, cidades inteligentes com impacto neutro no clima e saúde dos solos e alimentação.

Cinco portugueses foram selecionados pela Comissão Europeia para integrar o comité responsável por definir as missões de investigação e desenvolvimento, no âmbito do programa "Horizonte Europa", informou hoje o Ministério da Ciência, Tecnologia e Ensino Superior.

Os selecionados são Helena Freitas (bióloga da Universidade de Coimbra), Pedro Pita Barros (docente de Economia da Universidade Nova de Lisboa), Tiago Pitta e Cunha (presidente executivo da Fundação Oceano Azul), Paulo Ferrão (docente do Instituto Superior Técnico e ex-presidente da Fundação para a Ciência e Tecnologia) e Teresa Pinto Correia (docente da Universidade de Évora), que vão integrar, respetivamente, as missões de adaptação às alterações climáticas, cancro, oceanos, cidades inteligentes com impacto neutro no clima e saúde dos solos e alimentação.

As cinco comissões são integradas por 15 especialistas cada, não exclusivamente académicos, e serão responsáveis por trabalhar em grandes missões europeias de pesquisa e inovação, no âmbito do programa "Horizonte Europa", entre 2021 e 2027.

As missões "incluirão um conjunto de ações que visam alcançar um objetivo ambicioso e inspirador, bem como quantificável no quadro temporal da próxima década, com impacto na sociedade", segundo um comunicado divulgado pelo Ministério da Ciência, Tecnologia e Ensino Superior.

A Fundação Oceano Azul já reagiu, num comunicado, à escolha do seu presidente executivo, Tiago Pitta e Cunha, congratulando-se que pela primeira vez a Comissão Europeia tenha "estabelecido um painel com esta importância para o oceano", salientando igualmente a nomeação de Peter Heffernan, conselheiro especial da instituição.

Segundo Helena Freitas, catedrática da Universidade de Coimbra e selecionada para a comissão responsável pela adaptação às alterações climáticas, a Europa está a dar um importante sinal de querer empunhar "a bandeira da sustentabilidade" com a criação destes comités de missão.

A Europa está a mudar a "interpretação das [suas] políticas, no sentido de inspirar um modelo novo, porque estes tempos exigem soluções novas", disse à Lusa Helena Freitas.
Descubra as
Edições do Dia
Publicamos para si, em três periodos distintos do dia, o melhor da atualidade nacional e internacional. Os artigos das Edições do Dia estão ordenados cronologicamente aqui , para que não perca nada do melhor que a SÁBADO prepara para si. Pode também navegar nas edições anteriores, do dia ou da semana
Artigos Relacionados
Opinião Ver mais