“Atravessamos uma grave crise de corrupção”

João Carlos Barradas 20 de novembro

Em Moçambique, há “luzes de alerta acesas, no vermelho mesmo”, face à erosão da moral pública e à subversão do direito, avisa o romancista e historiador moçambicano.

O historiador e romancista João Paulo Borges Coelho alerta para uma grave crise de corrupção e de erosão da moral pública em Moçambique, constata o dilema de uma eterna transição política e a fragilidade do país para enfrentar as alterações climáticas.

Confessando-se um anarquista sereno que nunca militou em partidos, o intelectual moçambicano lamenta certa jactância pós-imperial do lado português.

Para continuar a ler
Já tem conta? Faça login
Para activar o código da revista, clique aqui