FMI defende a regularização do mercado de cripto-moedas

Diogo Camilo com Leonor Riso 18 de abril de 2018

A organização recomendou aos bancos que aproveitem estas tecnologias para tornar a experiência de utilização do dinheiro real mais apelativa.

O Fundo Monetário Internacional (FMI) defendeu esta quarta-feira a regularização do mercado das cripto-moedas e aconselhou prudência para os riscos futuros à estabilidade do sistema financeiro. Na mais recente edição do Global Stability Report, a organização recomendou aos bancos centrais que aproveitem estas tecnologias para tornar a experiência de utilização do dinheiro real mais apelativa.

"Os bancos centrais podem aprender com as propriedades das cripto-moedas e das tecnologias subjacentes para tornar a utilização de dinheiro real mais atractiva", pode ler-se no relatório. Segundo o FMI, as principais vantagens destas inovações são o aspecto instantâneo, sem intermediários e sem necessidade de os intervenientes estarem no mesmo espaço físico, o que possibilita o anonimato nas transacções.

Com tudo isto, "as cripto-moedas são altamente apelativas para pagamentos transfronteiriços e micro-pagamentos numa recente economia digital assente na partilha de serviços", defende o FMI. A instituição liderada por Christine Lagarde deu o exemplo de países como o Canadá, a Singapura ou a Suécia, em que os bancos centrais já estão a par das novas tecnologias.

Para continuar a ler
Já tem conta? Faça login
Para activar o código da revista, clique aqui
Investigação
Opinião Ver mais