Do nosso bolso para os cofres do Estado. O que pode ficar mais caro no próximo ano?

Embalagens de plástico pagas, bebidas açucaradas, tabaco, álcool, combustível, imposto de circulação são alguns dos exemplos daquilo que poderá aumentar no próximo ano. A proposta do Orçamento do Estado para 2022 sugere ainda que os cofres públicos possam arrecadar mais 13 milhões com as multas resultantes da aquisição de novos radares de controlo de velocidade.

Está aberta a época do Orçamento do Estado 2022. A proposta foi entregue dia 11, segunda-feira à noite, mas há já vários pontos que é melhor apontar, porque vão fazer alguma diferença na carteira, a partir do próximo ano. 

O Governo promete novos aumentos de impostos e não esqueceu serviços que estiveram, até agora, fora das contas orçamentais. Tabaco, álcool, serviços de televisão por subscrição, bebidas açucaradas e plástico são apenas alguns exemplos.  

Vale a pena começar então pelas novidades. Numa perspetiva mais verde e de incentivo à redução do uso de plástico, o Governo quer cobrar 30 cêntimos por cada embalagem descartável de plástico ou alumínio, em caso de entregas ao domicílio ou serviço Take Away. A exceção vai para a utilização destas embalagens em contexto social e o valor de 30 cêntimos terá de aparecer discriminado na fatura.

Para continuar a ler
Já tem conta? Faça login
Para activar o código da revista, clique aqui
Investigação
Opinião Ver mais