O que opõe Espanha e Marrocos? Um nome: Brahim Ghali

O que opõe Espanha e Marrocos? Um nome: Brahim Ghali
Leonor Riso 20 de maio

Centenas de migrantes tentaram entrar na Europa através de Ceuta, um enclave espanhol no norte de África. Dias antes, Espanha acolheu num hospital um inimigo de Marrocos.


Centenas de migrantes entraram em Ceuta, um enclave espanhol no Norte de África, nos últimos dias. Marrocos, que faz fronteira com a cidade autónoma, reduziu a segurança na fronteira e as pessoas puderam nadar ou trepar com vista a uma entrada na Europa. Contudo, quase dois terços dos 8 mil migrantes que conseguiram chegar a Ceuta já foram expulsos pelas autoridades espanholas, adianta a agência noticiosa Reuters. 

A Amnistia Internacional acusou as forças de segurança espanholas de agredir e atirar os migrantes ao mar, ao mesmo tempo que criticou Marrocos por usar estas pessoas como peões na sua disputa com Espanha. Mas que conflito é este? Pode resumir-se a um nome: Brahim Ghali. 

Com 71 anos, é desde 2016 o presidente da República Árabe Saaraui Democrática. Sediada na Argélia, reivindica soberania sobre o Sahara Ocidental. Porém, o mesmo território foi anexado por Marrocos em 1976, quando Espanha, que o governava desde 1884, o abandonou. A anexação motivou a declaração de independência por parte do movimento Frente Polisário, que é apoiada pela Argélia e liderada por Ghali, e iniciou uma guerra entre a Frente e Marrocos. 

Para continuar a ler
Já tem conta? Faça login
Para activar o código da revista, clique aqui
Investigação
Opinião Ver mais