Não existe um "gene gay"

Não existe um 'gene gay'
Diogo Barreto 29 de agosto de 2019

Estudo refere que a orientação sexual é influenciada por uma “mistura complexa” de factores genéticos e ambientais. Mas não há um gene que determine sozinho a homossexualidade.

Um novo estudo destrói a ideia de que existe um "gene gay", ou seja, um gene que determine que uma pessoa se sinta atraída por indivíduos do mesmo sexo. No entanto foi descoberto que a homossexualidade está relacionada por uma série de variações genéticas.

A equipa internacional de cientistas pertencentes à Associação Americana para o Avanço da Ciência (AAAS) analisou o ADN de mais de 477 mil indivíduos para comprovar a sua teoria. O artigo, publicado esta semana na revista Science refere que existem cinco variantes no genoma humano que estão claramente associadas a pessoas que se sentem atraídas por outras do mesmo sexo. Mas não bastam essas variantes, sendo ainda necessário ter em contacto fatores ambientais. Portanto, concluíram os autores que é impossível prever o comportamento sexual de um indivíduo a partir do seu genoma.

Os autores analisaram amostras de ADN de 477.522 indivíduos, que foi cedido pela empresa de testes de ADN 23andMe e pelo organismo inglês de investigação médica UK Biobank. Foram também consideradas respostas a perguntas como: "Já alguma vez fez sexo com uma pessoa do mesmo sexo?". Entre as centenas de milhares de respostas, apenas cerca de 4% dos inquiridos responderam que tinham tido sexo com outra do mesmo sexo.

Para continuar a ler
Já tem conta? Faça login
Para activar o código da revista, clique aqui
Investigação
Opinião Ver mais