Qatar: entre o luxo dos locais e as más condições dos migrantes

Qatar: entre o luxo dos locais e as más condições dos migrantes
Pedro Henrique Miranda 22 de novembro

O Mundial de Futebol de 2022 segue adiante, apesar de coros de protestos por todo o mundo contra as condições de trabalho de migrantes e o tratamento de homossexuais no seu país-sede. Mas como se vive realmente no Qatar? Fomos à capital em busca de respostas.

Do estreito leque de atrações de que não pode prescindir no Qatar, os cruzeiros Dhow impõem-se como uma das mais sedutoras. O que em tempos foi uma frota pesqueira destinada a explorar um dos seus poucos recursos naturais – a ostra, hoje um símbolo nacional plasmado em monumentos, empreendimentos imobiliários e na moeda, o rial qatari (QAR) – transformou-se numa operação turística de passeios pelo Golfo Pérsico, com direito a bebidas refrescantes, música ao gosto do freguês e uma vista, no mínimo, imponente. 

Para continuar a ler
Já tem conta? Faça login
Para activar o código da revista, clique aqui
Investigação
Opinião Ver mais