A cientista portuguesa premiada que queria ser bailarina

A cientista portuguesa premiada que queria ser bailarina
André Rito 21 de agosto de 2016

Raquel Oliveira foi distinguida com o Prémio Dona Antónia Ferreira. História de uma bailarina que se fez uma cientista brilhante “por acaso”

Raquel Oliveira, 36 anos, podia ter sido bailarina. Começou na dança clássica ainda miúda e teve aulas de ballet até ser adulta. A carreira artística talvez lhe tenha passado ao lado, nunca o saberá, mas tornou-se cientista sem ter deixado verdadeiramente a dança. Hoje, sempre que pode, troca o laboratório por uma aula de tango argentino – "Não consigo ir as vezes que gostaria" – e descobriu uma disciplina improvável ao microscópio: a dança dos cromossomas.

É assim que a investigadora do Instituto Gulbenkian de Ciência descreve a divisão celular – área da ciência que estuda há vários anos – que ocorre milhões de vezes na vida de um ser humano, sendo responsável pelo crescimento e pela manutenção dos tecidos. "Trata-se de um processo de alta precisão, parece uma coreografia, um momento de extrema sincronização, como uma dança. Para mim foi fascinante, desde o início, ver as células dividirem-se", explica a cientista, distinguida na passada segunda-feira com o Prémio Dona Antónia Adelaide Ferreira, atribuído anualmente pela Sogrape a mulheres que se destacam em diferentes áreas de actividade.

Em Portugal desde 2012, Raquel lidera hoje uma equipa de seis investigadores focada na divisão celular e na morfologia dos cromossomas. É uma área sensível e decisiva no estudo de algumas doenças. "Cada vez que a célula se divide, é obrigatório que as duas células filhas herdem exactamente o mesmo número de cromossomas. É um processo que ocorre quase sempre de forma correcta, mas quando isso não acontece as consequências são drásticas para a célula."

Para continuar a ler
Já tem conta? Faça login
Para activar o código da revista, clique aqui
Investigação
Opinião Ver mais