Governo italiano decreta estado de emergência em Veneza

Lusa 14 de novembro de 2019
Sábado
Leia a revista
Em versão ePaper
Ler agora
Edição de 5 a 11 de agosto
As mais lidas

Vão ser disponibilizados 20 milhões de euros para as “intervenções mais urgentes, de apoio à cidade e à população”, prometeu o primeiro-ministro Giuseppe Conte.

O Governo italiano declarou esta quinta-feira o estado de emergência em Veneza devido às inundações, anunciou o primeiro-ministro, Giuseppe Conte, referindo que vão ser disponibilizados 20 milhões de euros para as "intervenções mais urgentes". "O Governo aprovou o estado de emergência em Veneza", disse o primeiro-ministro, numa mensagem divulgada na rede social Twitter.

veneza inundações
veneza inundações
veneza inundações
veneza inundações
veneza inundações
veneza inundações
veneza inundações
veneza inundações
veneza inundações
veneza inundações
veneza inundações
veneza inundações
veneza inundações
veneza inundações
veneza inundações
veneza inundações
veneza inundações
veneza inundações
veneza inundações
veneza inundações
veneza inundações
veneza inundações
veneza inundações
veneza inundações
veneza inundações
veneza inundações
Giuseppe Conte acrescentou que vão ser disponibilizados 20 milhões de euros para as "intervenções mais urgentes, de apoio à cidade e à população". Numa outra mensagem na rede social, o primeiro-ministro anunciou que foi também declarado o estado de emergência para Alexandria, atingida pelo mau tempo em outubro, com 17 milhões de euros a serem disponibilizados.

"Ainda hoje quero ouvir o prefeito de Matera para obter atualizações. O Governo dá a máxima atenção a todas as comunidades afetadas pelos acontecimentos climáticos destes dias", salienta. O primeiro-ministro passou a noite de quarta-feira em Veneza, onde monumentos, casas e empresas foram atingidos por inundações excecionais, tendo as águas atingido o valor mais elevado desde 1966.

A marca da água atingiu 1,87 metros na terça-feira, o que significa que mais de 85% da cidade foi inundada. O nível mais alto registado até agora foi de 1,98 metros durante as inundações em 1966. A chuva intensa tem caído desde terça-feira em Itália, afetando em particular as regiões da Sicília, Calábria e Basilicata e Veneza, que se confrontou também com uma 'acqua alta' (maré alta) excecional.

Em Veneza, a célebre praça de São Marcos está submersa devido também à maré alta excecional, situação que deverá durar até sábado. O vestíbulo da basílica de São Marcos, joia da cidade, também foi inundado e o seu procurador (autoridade local), Pierpaolo Campostrini, preveniu os turnos de guarda para vigiarem a subida da água.

A carregar o vídeo ...


Segundo Campostrini, uma inundação como a de terça-feira ocorreu apenas cinco vezes na história da basílica -- erigida em 828 e reconstruída depois de um incêndio em 1063 -, com o dado mais preocupante de três destas cinco situações terem ocorrido nos últimos 20 anos, com a última a verificar-se em 2018.

Devido às cheias, a edição deste ano da Bienal de Arte de Veneza esteve encerrada na quarta-feira, mas reabriu hoje, disse a organização, acrescentando que, entretanto, mais de 1.300 pessoas já visitaram o certame, nas zonas do Arsenale e Giardini.

Portugal está representado nesta 58.ª edição da Exposição Internacional de Arte Contemporânea de Veneza com a exposição "a seam, a surface, a hinge or a knot" ("uma costura, uma superfície, uma dobradiça ou um nó", em tradução livre), um projeto da artista Leonor Antunes.
Artigos Relacionados