Quando a diretora-geral da Saúde desvalorizou o impacto do coronavírus

Quando a diretora-geral da Saúde desvalorizou o impacto do coronavírus
SÁBADO 12 de março de 2020

Em janeiro, Graça Freitas considerou "um bocadinho excessivo" a possibilidade de contágio entre humanos, dizendo até não existir "grande probabilidade" de o vírus chegar a Portugal. Dois meses depois, já há quase 100 pessoas infectadas

É 12 de março e em Portugal, foram detetados 78 casos de infetados com o coronavírus Covid-19. Entre eles, encontra-se um homem em estado crítico. Porém, há dois meses, a Direção-Geral de Saúde (DGS) desvalorizou o Covid-19. A 15 de janeiro, no Infarmed, Graça Freitas foi questionada acerca do vírus que na China, tinha infetado 59 pessoas. "Não temos que estar alarmados", afirmou, em declarações à TVI24. 

"A gravidade deles [diferentes coronavírus] depende muito e este concreto que foi identificado na China, já se sabe o genoma deste vírus, está circunscrito à cidade chinesa onde ocorreu, há uma fraquíssima possibilidade de ele se transmitir de uma pessoa para outra, mas isso é apenas uma fraquíssima possibilidade por isso a propagação e eventual propagação não é uma hipótese neste momento a ser equacionada", afirmou Freitas.

Porém, no dia 14 de janeiro, a Organização Mundial de Saúde (OMS) já tinha alertado para a possibilidade de contágio entre humanos. Maria Van Kerkhove indicou que a OMS se estava a preparar para um surto mais abrangente: "Ainda estamos no início, não temos uma imagem clínica clara." "Da informação que temos é possível que haja transmissão limitada entre humanos, potencialmente entre famílias, mas é muito claro agora que não temos transmissão sustentada entre humanos", explicou a responsável pela unidade de doenças emergentes em Genebra, Suíça. 

Para continuar a ler
Já tem conta? Faça login
Para activar o código da revista, clique aqui
Investigação
Opinião Ver mais