Portugal "tem das melhores condições de segurança para praticar trail"

Portugal 'tem das melhores condições de segurança para praticar trail'
Leonor Riso 20 de julho

Em julho, desapareceram dois praticantes de trail: um polaco na Madeira e um português no Marco de Canaveses. Rui Pinho, presidente da Associação Trail Running de Portugal, explica como se assegura a segurança dos atletas nas provas.


Em julho, desapareceram dois praticantes de trail em Portugal: o polaco Michal Kozek, visto pela última vez no dia 7 na Madeira, e Marílio Costa Leite, no dia 18, no Marco de Canaveses. São casos atípicos numa modalidade muito segura, especialmente em Portugal, frisa o presidente da Associação Trail Running de Portugal (ATRP).

"Temos das melhores condições e com maior segurança para praticar trail", garante Rui Pinho, apaixonado pela competição há dez anos. "Tenho seis provas de 300 quilómetros feitas, 22 maratonas de estrada, mais de 50 ultramaratonas de trail e nunca presenciei nenhum episódio grave em nenhuma destas provas, de gente perdida ou que desapareceu."

Na Madeira, Michal Kozek terá saído para um treino "por zonas que não conhece", do Porto Moniz à Calheta, "onde não há ligações por trilhos", conta Rui Pinho. "Foi para a montanha sozinho. Nessas situações, no mínimo deve levar-se um dispositivo de geolocalização", aconselha.

Para continuar a ler
Já tem conta? Faça login
Para activar o código da revista, clique aqui
Investigação
Opinião Ver mais