Polícia impediu jovem de gravar rusga, agrediu-o e chamou-lhe palhaço

Polícia impediu jovem de gravar rusga, agrediu-o e chamou-lhe palhaço
Diogo Barreto 22 de abril

Um jovem gravou um polícia a tentar impedi-lo de filmar uma rusga e acusa o agente de o agredir. "Não é por vivermos num bairro, sermos jovens, brancos, pretos, ter tatuagens ou piercings que a polícia nos pode tratar pior", lamenta. Cantor Agir partilhou imagens e criticou atuação policial.

Em 1987, enquanto gravavam o disco Straight Outta Compton, os NWA foram assediados pela polícia californiana à porta do estúdio pelo crime de "serem castanhos", como rappou Ice Cube em Fuck tha Police. Trinta e três anos depois, a Polícia de Segurança Pública (PSP) é acusada de intimidação dirigida a um grupo por estarem na rua e "serem jovens, pretos e terem rastas e piercings", depois de uma sessão musical num estúdio no bairro da Bela Vista, em Setúbal. O cantor Agir fez eco do protesto do jovem, criticando a postura do agente filmado, apelando a que as autoridades devem ser exemplares a "gerir situações".

Telmo Santos, de 22 anos, divulgou recentemente nas redes sociais um vídeo gravado no Bairro da Bela Vista em que agentes da polícia revistam um grupo de jovens. À SÁBADO o jovem explica que começou a filmar porque se apercebeu que os agentes da polícia tinham isolado um amigo seu que é negro e utiliza o cabelo em rastas. "Tive medo do que lhe pudessem fazer e decidi tirar o telemóvel e começar e é isso que se vê no vídeo", explica o jovem.

No vídeo podemos ver e ouvir um agente da polícia a pedir a identificação a Telmo enquanto este refere ter o direito a gravar. Alguns segundos depois um agente identificado como Nelson Veloso, que estava a inquirir o jovem negro, vai em direção a Telmo e questiona num tom agressivo: "Estás a fazer o quê? Estás a fazer o quê, tu, ó palhaço? Que é que estás a fazer, pá? Esta merda aqui, estás a gravar isto para quê, pá?", dando ainda um safanão na mão que segurava o telefone.

Para continuar a ler
Já tem conta? Faça login
Para activar o código da revista, clique aqui
Investigação
Opinião Ver mais