Ministra da Justiça preocupada com aumento da violência doméstica

Lusa 23 de junho de 2020
As mais lidas

Francisca Van Dunem defendeu a adoção de um instrumento que garanta uma melhor proteção das vítimas e uma melhor interação entre as jurisdições criminal e cível.

A ministra da Justiça mostrou-se hoje preocupada com o aumento da violência doméstica, defendendo a adoção de um instrumento que garanta melhor proteção às vítimas, e prevê que a crise pandémica fará aumentar as ações executivas e laborais.

Violência doméstica, xxx
Violência doméstica, xxx

"A violência doméstica, o ano passado, estava em primeiro lugar nas cifras da criminalidade participada e, embora tenha tido um abrandamento de participações no princípio deste ano, pelo que temos vindo a observar pelo recurso às linhas de emergência, este ano a tendência vai agravar-se", afirmou Francisca Van Dunem durante uma audição regimental na comissão parlamentar de Assuntos Constitucionais, Direitos, Liberdades e Garantias, revelando que, devido à crise provocada pela pandemia por covid-19, se prevê um aumento de participações de crimes de violência doméstica e de criminalidade informática, além de mais execuções, ações de comércio e na área laboral.

Neste capítulo, a ministra defendeu a adoção de um instrumento que garanta uma melhor proteção das vítimas e uma melhor interação entre as jurisdições criminal e cível.

Outro fenómeno criminal que tem registado um aumento são os crimes praticados em ambiente informático, nomeadamente as fraudes, cuja tendência continua a ser de subida e que deverá continuar mesmo pós pandemia.

Segundo Francisca Van Dunem, os efeitos da crise provocada pela pandemia irão sentir-se especialmente em três áreas judiciárias: comércio, execuções e trabalho, garantindo, contudo, que os tribunais "têm ainda capacidade e instrumentos suficientes para assegurar respostas adequadas".

Na área prisional, para a qual há três meses foi aprovada uma lei que retirou das cadeias cerca de dois mil reclusos, para evitar a propagação de contágio pelo novo coronavírus, a governante revelou que a aplicação da legislação "decorreu sem sobressaltos de maior" e que foram revogados 10 perdões de pena e 46 licenças administrativas extraordinárias.

Numa breve análise ao comportamento dos processos pendentes em tribunal, Francisca Van Dunem referiu que há uma redução na área civil, registando-se uma "inversão do sentido" na área penal, tutelar e social com um aumento de casos.

"O mar que se vai abrir nas ações executivas será mais para o final do ano. Houve uma redução de pendências na ordem dos 35% nos últimos quatro anos e por isso temos ainda uma folga para o primeiro embate, quando for alterada a situação de proteção dos credores", afirmou a ministra, considerando que a resposta que foi dada pelo governo na justiça económica "acautela uma boa parte das necessidades no plano social (trabalhadores)".

Em relação à aplicação das medidas de proteção no edificado dos 315 tribunais, a governante referiu que foram consideradas aptas, segundo as normas da Direção Geral da Saúde, 755 das 824 salas de audiência.

Descubra as
Edições do Dia
Publicamos para si, em três periodos distintos do dia, o melhor da atualidade nacional e internacional. Os artigos das Edições do Dia estão ordenados cronologicamente aqui , para que não perca nada do melhor que a SÁBADO prepara para si. Pode também navegar nas edições anteriores, do dia ou da semana
Artigos Relacionados
Investigação
Opinião Ver mais