Graça Freitas e o uso de máscaras: "Não há uma única medida completamente eficaz"

C.A.C. 03 de abril de 2020

Diretora-geral da Saúde recorda que Portugal está alinhado com as recomendações da OMS e lembrou que "nenhuma medida isolada é milagrosa" e, como tal, é preciso manter o isolamento social.

A diretora geral da Saúde, Graça Freitas, garantiu, esta sexta-feira, que "se houver evidências novas" sobre o uso de máscaras para combater a pandemia de covid-19 serão feitas alterações. Na conferência de imprensa diária de apresentação do boletim epidemiológico divulgado pela Direção-Geral da Saúde, a responsável lembrou, porém, que "nenhuma medida isolada é milagrosa". 

Até agora, a DGS tem defendido que o uso das máscaras deve ser apenas feito por profissionais de saúde, pessoas infetadas com covid-19 e imunodeprimidos e a quem tivesse de circular em unidades de saúde por alguma razão, seguindo as recomendações da Organização Mundial de Saúde. "Desde o início que Portugal está alinhado com as recomendações da OMS, do Centro Europeu de Controlo de Doenças e da literatura médica. Se houver evidências novas, faremos alterações", garantiu.

Graça Freitas reforçou que o que se sabe "inequivocamente é que não há uma única medida completamente eficaz".  "É apenas no conjunto que conseguimos aplanar a curva. Nenhuma medida isolada é milagrosa", atirou.

Para continuar a ler
Já tem conta? Faça login
Opinião Ver mais