Dia 18, a mãe morreu na sexta-feira

Dia 18, a mãe morreu na sexta-feira
Eduardo Dâmaso 07 de abril de 2020

A quarentena afasta todos do afecto físico mas não vence a simbologia da amizade, do amor e da generosidade

O Le Monde chama-lhe um "oceano fúnebre". Um pouco por toda a França multiplicam-se os anúncios fúnebres. Um pouco por todo o Mundo, que já regista mais de 50 mil mortes devido ao coronavírus. Enchem a internet, as páginas de necrologia dos jornais, que tinham quase morrido elas próprias mas que, agora, ressuscitam com uma dolorosa energia.

Para continuar a ler
Já tem conta? Faça login
Investigação
Opinião Ver mais