Coronavírus: há uma bomba-relógio em Odemira

Paulo Barriga 03 de abril de 2020

Primeiro caso confirmado de infeção por coronavírus na comunidade migrante de Odemira está a lançar o pânico entre a população local. Campanha da apanha dos frutos vermelhos prossegue sem restrições.


"Era uma bomba relógio em acelerada contagem decrescente que acabou agora por nos rebentar nas mãos". As palavras são do presidente do Município de Odemira a propósito da identificação do primeiro caso de infeção por coronavírus naquele concelho do litoral alentejano. Trata-se de um cidadão indiano, de 46 anos, que na passada semana viajou de Lisboa em busca de trabalho nas estufas da região. Neste momento, assegura José Alberto Guerreiro, "temos no concelho de Odemira perto de 10 mil trabalhadores agrícolas, muitos deles a viverem amontoados em habitações precárias e sem as mínimas condições de higiene. A situação atual em Odemira ainda não é de um estado de pânico generalizado, mas para lá caminha".

Não é para menos. A escassos dias de se entrar no pico da campanha dos frutos vermelhos, estão a chegar diariamente ao concelho de Odemira centenas de trabalhadores indiferenciados. Arregimentados por empresas de trabalho temporário, estes migrantes, predominantemente indianos, nepaleses e bengalis, são alojados em contentores ou em casas sobrelotadas e são transportados para as explorações agrícolas em "carrinhas a abarrotar de gente", como tem observado Dulce Raposo, residente em São Teotónio, "isto está um verdadeiro pandemónio".

Dulce Raposo refere-se não apenas ao aumento da população, que por estes dias mais do que duplica nesta freguesia, mas também ao facto de, ao abrigo do plano operacional do COVID-19, as autoridades locais terem estabelecido o pavilhão gimnodesportivo do Agrupamento de Escolas de São Teotónio como um dos locais de confinamento em caso de crise. Aliás, é lá que, neste momento, estão de quarentena as "19 pessoas de origem nepalesa que até agora foi possível identificar como tendo estado em contacto com o indivíduo infetado", informa o presidente da Junta de Freguesia, Dário Guerreiro".

Para continuar a ler
Já tem conta? Faça login
Investigação
Opinião Ver mais