As investigações têm lugar cativo na SÁBADO
Sandra Felgueiras
27 de janeiro

As investigações têm lugar cativo na SÁBADO

Sábado
Leia a revista
Em versão ePaper
Ler agora
Edição de 12 a 18 de maio
As mais lidas

Esta edição revela várias notícias exclusivas que mostram o espírito que aqui me trouxe: a dedicação ao jornalismo de investigação sem medo nem complacência.

Caros leitores, esta é a primeira edição assinada por mim enquanto diretora da SÁBADO.

Uma edição que revela várias notícias exclusivas que mostram o espírito que aqui me trouxe: a dedicação ao jornalismo de investigação sem medo nem complacência.

Hoje revelamos-lhe que há um juiz em xeque.

Será uma armadilha ou mesmo corrupção? O juiz Ivo Rosa está nas mãos do Tribunal da Relação de Lisboa devido a uma polémica escuta a que só a SÁBADO teve acesso.

Convido os milhares de portugueses que me acompanham há muito a lerem na íntegra a suspeita que recai sobre o juiz que lançou uma bomba atómica sobre a Operação Marquês. E revelamos-lhe ainda o caso de um alegado burlão que anda a extorquir dinheiro aos arguidos da operação Cartão Vermelho.

Contamos também um polémico esquema de contratação pública por uma junta de freguesia do PS no coração de Lisboa: as beneficiárias são quase todas empresas de militantes socialistas que já receberam quase um milhão de euros.

Mas para ter liberdade de pensar primeiro tem de se informar.

Ao longo do dia, os diretores da revista que são, em simultâneo, autores das investigações que fazem esta manchete, Nuno Tiago Pinto e António José Vilela, irão explicar cada um destes casos ao pormenor.

Poderá perceber a dimensão destas histórias no nosso site e também na CMTV onde eu própria explicarei toda esta nova abordagem, logo à noite.

Agora, conto consigo.

Aqui, na SÁBADO.

Mais crónicas do autor
Ontem

O mundo segundo Putin

Embora mais reservadas do que até fevereiro, as minhas fontes estavam certas: Putin rema sempre ao contrário das análises do Ocidente, e não por acidente. Eis o seu novo mundo

Ontem

A guerra e a impunidade

Quanto mais se legisla, menos claros e eficazes são os instrumentos e os objetivos eleitos. Quando demasiada coisa falha, é indispensável ouvir a prolixa palavra presidencial de Marcelo Rebelo de Sousa. E em algumas destas matérias isso não está a acontecer.

15 de maio

Estética da perseguição

Desconcerta ver agora Miguel Sousa Tavares a queixar-se da intolerância alheia e, rodeando-se de mel e borboletas, intitular-se pacifista, quase um monge budista. Porque a verdade é que não consegue suportar a frustração e as contrariedades. As críticas irritam-no.

15 de maio

Matar mulheres devagarinho

Mais de metade dos estados irão repor a proibição do aborto, mesmo em casos de violação ou incesto. Claro que as maiores vítimas deste controlo judicial e político do livre-arbítrio das mulheres serão as mais pobres, sem capacidade económica para viajar para os estados onde ainda é possível exercerem a sua consciência.

14 de maio

Instantâneos (ou quase) 87

É cada vez maior o burburinho nos corredores da justiça sobre quem dirigirá o DCIAP a partir do verão. Albano Pinto está de saída e o departamento tem lá apenas um procurador-geral adjunto, Rosário Teixeira. Será desta?

Mostrar mais crónicas
Descubra as
Edições do Dia
Publicamos para si, em três periodos distintos do dia, o melhor da atualidade nacional e internacional. Os artigos das Edições do Dia estão ordenados cronologicamente aqui , para que não perca nada do melhor que a SÁBADO prepara para si. Pode também navegar nas edições anteriores, do dia ou da semana
Opinião Ver mais