Sadomasoquismos
João Pereira Coutinho Politólogo, escritor
11 de junho

Sadomasoquismos

Sim, o sadomasoquismo existe nas melhores famílias. Mas não me parece que Passos Coelho pratique esse desporto: é inteiramente legítimo que o ex-líder do PSD se reserve para outros tempos, com outros ares e outra gente.

A PÉRFIDA ALBION removeu a Pátria do "corredor verde" e os nativos, com aquela mistura patusca de fúria e inocência, não pediram contas ao Governo (português), como seria próprio de um povo alfabetizado.

Revoltaram-se, antes, contra o Governo (britânico) e desenvolveram uma curiosa teoria da conspiração: os ingleses precisavam de jogar a final deles; Londres recusou-se a receber os selvagens; donde, Portugal serviu como caixote do lixo. Quando a final terminou, Boris Johnson mandou recolher a ponte levadiça. "Eles que fiquem com a peste!", terá dito Boris, entre gargalhadas insanas.

Se estes filmes se limitassem às redes sociais, eu compreendia. Não se limitaram. Na RTP, a jornalista que entrevistava Augusto Santos Silva quis saber se os ingleses nos tinham "usado". Santos Silva, com um sorriso compassivo, não alimentou a polémica, apesar de não perceber a "lógica" da exclusão.

Para continuar a ler
Já tem conta? Faça login
Para activar o código da revista, clique aqui
Opinião Ver mais