OMS dá aprovação de emergência a vacina da Moderna

Lusa 30 de abril
Sábado
Leia a revista
Em versão ePaper
Ler agora
Edição de 6 a 12 de maio
As mais lidas

Esta vacina "junta-se à lista crescente de vacinas validadas pela OMS para uma utilização de emergência". AstraZeneca, Pfizer e Johnson & Johnson já foram aprovadas.

A Organização Mundial de Saúde (OMS) deu hoje a aprovação de emergência à vacina contra a covid-19 da Moderna, a quinta a beneficiar dessa validação da agência de saúde da ONU.

Esta vacina por RNA mensageiro "junta-se à lista crescente de vacinas validadas pela OMS para uma utilização de emergência", indicou a organização num comunicado.

A OMS já aprovou as vacinas da Pfizer-BioNTech, os dois soros AstraZeneca fabricados na Índia e na Coreia do Sul e o da Johnson & Johnson, designado Janssen. É esperada em breve uma decisão, provavelmente na próxima semana, para as duas vacinas chinesas, Sinopharm e Sinovac.

Este procedimento ajuda os países que não dispõem de meios para determinar por si próprios a eficácia e segurança de um medicamento a ter acesso mais rápido a terapias. Também permitirá ao sistema COVAX, criado pela OMS e parceiros para distribuir vacinas contra a covid-19 nas nações desfavorecidas, considerar a possibilidade de ter mais vacinas.

O produto desenvolvido pela 'start-up' Moderna, uma pioneira em vacinas contra o coronavírus, tem características muito semelhantes ao criado pela Pfizer-BioNTech, com uma eficácia de 94,1%. Este soro norte-americano é autorizado na União Europeia, na América do Norte, no Reino Unido e em alguns outros países, como Israel e Singapura.

Já foi analisado a 21 de janeiro pelo Grupo Consultivo Estratégico de Especialistas (SAGE) em imunização, responsável por fazer recomendações sobre vacinas, estejam ou não aprovadas pela OMS.

O SAGE recomenda que a vacina seja utilizada por todos os grupos etários a partir dos 18 anos.

Os especialistas da OMS aconselham a administração de duas doses da vacina Moderna com um intervalo de 28 dias, mas consideram que a segunda injeção pode "ser adiada durante 42" -- seis semanas -- em caso de circunstâncias excecionais, como um elevado número de casos da doença num país ou a falta de vacinas. Não recomendam, no entanto, que se reduza a dose a metade.

O anúncio da aprovação de emergência da OMS ocorre um dia depois de a Moderna ter revelado que pretende acelerar o ritmo e espera "aumentar a capacidade de produção global para três mil milhões de doses em 2022", ou seja, cerca do dobro do que estava previsto.

A empresa vai investir nas suas subcontratadas europeias, a suíça Lonza, que fabrica o princípio ativo, e a espanhola Rovi, que prepara a vacina.
Descubra as
Edições do Dia
Publicamos para si, em três periodos distintos do dia, o melhor da atualidade nacional e internacional. Os artigos das Edições do Dia estão ordenados cronologicamente aqui , para que não perca nada do melhor que a SÁBADO prepara para si. Pode também navegar nas edições anteriores, do dia ou da semana
Artigos Relacionados
Investigação
Opinião Ver mais