Ministro holandês admite que teve "pouca compaixão" com Espanha

Jornal de Negócios 31 de março de 2020

Wopke Hoekstra recuou nas declarações, mas deixou claro que a Holanda não aceita emissão de "coronabonds" para financiar os programas de apoio à economia devido à pandemia.

Wopke Hoekstra, ministro das Finanças da Holanda, fez, esta terça-feira, marcha atrás nas declarações sobre as contas públicas espanholas, admitindo que "aparentemente", mostraram "pouca compaixão" sobre um país que está a ser severamente atingido pela pandemia do novo coronavírus.

O lamento de Hoekstra foi dado numa entrevista à RTL, citada pela Reuters. O ministro alemão reconheceu que as suas declarações na videoconferência do Concelho Europeu, bem como as do primeiro-ministro Mark Rutte, foram mal recebidas.

Hoekstra afirmou, numa videoconferência com homólogos dos 27, que a Comissão Europeia devia investigar países, como Espanha, que afirmam não ter margem orçamental para lidar com os efeitos da crise provocada pelo novo coronavírus, apesar de a zona euro estar a crescer há sete anos consecutivos, segundo fontes europeias citadas na imprensa europeia.

Para continuar a ler
Já tem conta? Faça login
Investigação
Opinião Ver mais