Intenção dos EUA destrói "todas as esperanças" de paz

Lusa 06 de dezembro de 2017
As mais lidas

Embaixador da Palestina em Portugal contesta mudança da embaixada dos EUA de Telavive para Jerusalém.

A intenção "irresponsável e perigosa" dos Estados Unidos de reconhecer Jerusalém como a capital de Israel destrói "todas as esperanças" que foram construídas para alcançar a paz entre palestinianos e israelitas, disse o embaixador da Palestina em Portugal esta quarta-feira.

D.R.

A intenção "irresponsável e perigosa" dos Estados Unidos de reconhecer Jerusalém como a capital de Israel destrói "todas as esperanças" que foram construídas para alcançar a paz entre palestinianos e israelitas, disse o embaixador da Palestina em Portugal esta quarta-feira.

"Esta decisão prejudica tudo. Esta decisão destrói todas as esperanças que construímos. Não sei se é impossível mudar, mas acho que a decisão de hoje faz danos muito, muito graves. Todas as pontes de paz que foram construídas foram destruídas", afirmou Nabil Abuznaid, em declarações à Lusa, por telefone.

O presidente norte-americano, Donald Trump, deverá anunciar às 18h00 de Lisboa desta quara-feira que os Estados Unidos vão reconhecer Jerusalém como capital de Israel, e transferir a sua embaixada de Telavive para Jerusalém, contrariando a posição da ONU e dos países europeus, árabes e muçulmanos, assim como a linha diplomática seguida pelos Estados Unidos até agora.

Os países com representação diplomática em Israel têm as embaixadas em Telavive, em conformidade com o princípio, consagrado em resoluções das Nações Unidas, de que o estatuto de Jerusalém deve ser definido em negociações entre israelitas e palestinianos.

"É uma decisão irresponsável e perigosa que vai contra a lei internacional, contra acordos, contra a vontade internacional, contra a vontade da comunidade internacional que está a tentar trazer a paz entre palestinianos e israelitas", prosseguiu o representante diplomático da Palestina em Portugal.

A par das implicações "muito negativas" em todo o processo de paz, nos esforços internacionais de alcançar um consenso com base na solução dos dois Estados e na região do Médio Oriente, o embaixador frisou o peso religioso da cidade de Jerusalém e advertiu para futuras consequências.

"A cidade de Jerusalém é uma cidade de todas as religiões e não deve ser dada a uma única religião. A decisão de Trump causa graves danos e abre a possibilidade de uma guerra religiosa", alertou o representante.

Nabil Abuznaid recordou que esta decisão de Trump, "feita infelizmente à custa dos palestinianos", está relacionada com uma promessa que o chefe de Estado norte-americano fez a um eleitorado específico (eleitores judeus) e que está empenhado em cumprir.

"Assumiu este compromisso durante a sua campanha (...). Mas, Jerusalém não é a sua cidade. Devia concentrar-se nos seus assuntos internos nos Estados Unidos (...). Devia apoiar a paz e não a divisão de terras e dar terras de pessoas onde ele não tem autoridade", prosseguiu.

O embaixador palestiniano defendeu, no entanto, que Trump está enganado quando pensa que está a fazer um favor a Israel ao avançar com esta decisão.

"Para ser sincero, acho que ele não está a fazer nenhum favor a Israel. Criou mais problemas. Se está interessado em ver os israelitas a viverem em paz devia avançar com o processo de paz e não mudar a embaixada", concluiu.

A questão de Jerusalém é uma das mais complicadas e delicadas do conflito israelo-palestiniano, um dos mais antigos do mundo.

Israel ocupa Jerusalém leste desde 1967 e declarou, em 1980, toda a cidade de Jerusalém como a sua capital indivisa. Os palestinianos querem fazer de Jerusalém leste a capital de um desejado Estado palestiniano, coexistente em paz com Israel.

Jerusalém é considerada uma cidade santa para cristãos, judeus e muçulmanos.

Descubra as
Edições do Dia
Publicamos para si, em três periodos distintos do dia, o melhor da atualidade nacional e internacional. Os artigos das Edições do Dia estão ordenados cronologicamente aqui , para que não perca nada do melhor que a SÁBADO prepara para si. Pode também navegar nas edições anteriores, do dia ou da semana.
Boas leituras!
Artigos Relacionados
Opinião Ver mais