Pedro Couceiro: "O dinheiro que fiz na música ajudou-me a ir para as corridas"

Pedro Couceiro: 'O dinheiro que fiz na música ajudou-me a ir para as corridas'
Carlos Torres 01 de maio

Foi um cantor infantil de sucesso - vendia milhares de discos e recebia cartas de fãs -, viu Eusébio matar-lhe o sonho do futebol e não resistiu à paixão dos carros: passou pelos karts, F3, GT ou Porsche Cup e esteve às portas da F1. Agora é piloto de safety car no Mundial de Resistência.

Este sábado, 1 de maio, no circuito belga de Spa-Francorchamps, Pedro Couceiro vai voltar a sentir a adrenalina das corridas. Se houver um acidente, ou más condições de tempo, como neve ou chuva torrencial, ele salta para a pista ao volante do safety car e segue à frente dos mais de 30 pilotos que iniciam o campeonato do Mundo de Resistência, impondo o ritmo, por questões de segurança.

 "Eles têm de fazer o que eu faço. Sou como que um primeiro violino à frente de uma grande orquestra, e comandado pelo director de prova, o verdadeiro maestro", diz.

Em entrevista à SÁBADO, o antigo piloto falou da sua infância e revelou a faceta de estrela da música infantil, ao lado de Maria Armanda (que teve sucesso com a canção Eu Vi Um Sapo). "Era reconhecido na rua e dava autógrafos. Tinha 11 anos e havia miúdas de 17 a enviarem-me cartas quase de amor", conta.

Para continuar a ler
Já tem conta? Faça login
Para activar o código da revista, clique aqui